oncontextmenu='return false'>expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 21 de março de 2012

Destroços do Titanic são completamente mapeados pela 1ª vez

Acima: Ilustração do artista norte-americano Ken Marschall, reformulada recentemente para apresentar o panorama atual dos escombros do Titanic.Seja bem vindo ao TITANIC EM FOCO

Uma equipe de pesquisadores mapeou pela primeira vez os destroços do Titanic. As imagens foram divulgadas há poucos dias e mostram com clareza que os restos do luxuoso navio ocupam uma área com cinco quilômetros de largura e oito de comprimento no fundo do mar.
.
O estudo deve explicar melhor o que exatamente aconteceu no acidente que matou mais de 1,5 mil pessoas em 15 de abril de 1912. Os cientistas já descobriram, por exemplo, que a popa do navio girou como uma hélice, em vez de afundar reta como acontece no filme dirigido por James Cameron em 1997.
A expedição aconteceu em 2010 e só agora terminou o mapeamento, feito com imagens de sonar e mais de 100 mil fotos tiradas por robôs submarinos. Desde 1985, quando o navio foi localizado no fundo do mar, pesquisadores tentam fazer o mapeamento, mas nenhum tinha sido tão completo quanto o atual.
Acompanhe
Pesquisadores criaram o que é considerado o primeiro mapa abrangente da área de 4,8 km por 8 km na qual estão espalhados os destroços do Titanic. A expectativa é a de que o mapeamento forneça novas informações sobre o que aconteceu há quase cem anos, quando o transatlântico bateu em um iceberg, naufragou no Oceano Atlântico e se tornou uma lenda.
Marcas no solo oceânico sugerem, por exemplo, que a popa (parte de trás do navio) rodou como uma hélice de avião durante o naufrágio. Antes, imaginava-se que a popa teria mergulhado em trajetória reta.
Uma equipe de expedição usou imagens de sonda e cerca de 130 mil fotos tiradas por robôs submarinos para criar o mapa, que mostra o local no qual centenas de objetos e partes do navio caíram após colidir com o iceberg, em uma tragédia que deixou mais de 1,5 mil mortos.
Exploradores do Titanic - que naufragou em sua viagem inaugural, que seria de Southampton, na Inglaterra, para Nova York, nos Estados Unidos – sabem há mais de 25 anos onde estão a proa (parte da frente) e a popa do navio. Mas mapas anteriores do solo ao redor dos destroços eram incompletos, de acordo com Parks Stephenson, historiador consultado durante a última expedição.
Segundo ele, estudar o local com os mapas antigos era como tentar navegar em um quarto escuro com uma lanterna fraca. “Com o mapa sonar, é como se de repente tudo se iluminasse e você pudesse passar de cômodo a cômodo com uma lupa, documentando tudo”, afirmou. “Algo assim nunca tinha sido feito no local onde está o Titanic.”
O mapeamento foi feito em 2010, durante uma expedição ao Titanic liderada pela RMS Titanic Inc., a dona legal dos destroços, em conjunto com o Instituto Oceanográfico Woods Hole, de Falmouth, em Massachusetts, e o Instituto Waitt, de La Jolla, na Califórnia. Eles foram acompanhados por uma equipe da emissora History Channel e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica.
(ao lado) Extraordinário: As grandes secções da proa e da popa descansam há cerca de 600 metros uma da outra, separadas por um grande campo de pequenos e grandes destroços. Como já previamente sabido, a secção da proa (frente do navio) continua notavelmente preservada com seu formato característico, enquanto que a secção da popa (traseira do navio) se apresenta como um amontoado incaracterístico de escombros. Proa e popa apontam em direções opostas, cada parte voltada para direções diferentes, elas não caíram na exata posição em que se encontravam na superfície.


Após a ruptura do navio em duas partes na madrugada da tragédia em 15 de abril, as duas partes desceram ao fundo comportando-se de modo diferente: A proa deslocou-se para frente, colidindo violentamente com o leito marinho relativamente inteira. Enquanto que a secção da popa, gravemente afetada pela ruptura da parte frontal, enfrentou uma brutal descida ao abismo com correntes aquáticas geradas pelo movimento de queda e girou durante este processo, arremessando muitos destroços no solo marinho.

As 130 mil fotos em alta resolução tiradas por robôs foram unidas por um programa de computador, criando um detalhado mosaico dos destroços. O primeiro mapeamento do Titanic foi feito logo após sua descoberta, em 1985, usando fotos tiradas com câmeras instaladas em um veículo operado por controle remoto que não se aventurou muito além da proa e da popa.Com o passar dos anos, os mapeamentos foram ficando mais sofisticados. Na última versão é possível ver, por exemplo, um grande pedaço da lateral do navio, com peso estimado em mais de 40 toneladas, pedaços do casco, uma porta giratória e cinco caldeiras.
Em 1912...
Abaixo: Localizados na porção dianteira do navio, estavam a ponte de comando, 12 botes salva-vidas, os alojamentos dos oficiais, o mastro frontal com posto de vigia, 02 guindastes de carga e aberturas de acesso aos porões de armazenamento. Como um dos aspectos mais marcantes do barco, erguiam-se duas chaminés de 22 metros de altura, com o topo pintado de negro e 2/3 de sua extensão na tradicional cor utilizada nas chaminés dos navios da White Star Line, uma espécie indefinida de amarelo-ocre.
2012...
Abaixo: A secção da proa em sua apresentação atual, despida das duas chaminés frontais e sem a grande maioria dos aparatos de convés. No entanto ainda preserva muito de seus traços originais, incluindo-se o mastro frontal debruçado sobre a asa da ponte de navegação no lado de bombordo (esquerda do navio). A imagem denota que desde o ano de 1985, quando o navio fora finalmente redescoberto após 73 anos da tragédia, os escombros seguem num contínuo processo de deterioração.

A análise dos destroços pode ajudar pesquisadores a responder questões sobre como o navio se partiu ao meio, como naufragou e quais falhas de construção tiveram papel crucial na tragédia. O vice-presidente da rede History Channel, Dirk Hoogstra, se recusou a responder quais novas teorias estão sendo levantadas. “Temos uma visão de todo o local que não tínhamos antes”, afirmou. “Vamos poder reconstituir o naufrágio exatamente como aconteceu. Será inovador, de cair o queixo.”

Secção da proa (acima) e secção da popa (abaixo): Pela primeira vez completamente mapeado, as imagens em alta resolução dos destroços do Titanic permitirão avanços importantes nos estudos das reais causas e condições do naufrágio e também contribuirão para a própria monitoração e preservação dos escombros.

Simulação da colisão e naufrágio

O vídeo abaixo, que é uma simulação em computação gráfica, ilustra como se deu a colisão e o naufrágio do Titanic. Esta simulação foi formulada e apresentada no documentário "Os Últimos Mistérios do Titanic", lançado em 2005 e dirigido pelo canadense James Cameron (de Titanic e Avatar). Com a divulgação do detalhado mapa dos escombros do Titanic, parece óbvio que esta simulação sofrerá novas transformações, oferecendo um panorama ligeiramente (ou bastante) diferente do que hoje é aceito sobre o acidente com o Titanic pela comunidade científica mundial e pela opinião pública.


Como o Titanic naufragou?

Crédito
Pesquisa e reedição de texto e imagens: Rodrigo, TITANIC EM FOCO

15 comentários:

Luciano Spears disse...

Vai ser um pouco "estranho" ter uma nova simulação do naufrágio diferente da que temos hoje, pois o naufrágio como foi mostrado no filme Titanic de 1997 é tão conhecido que vai ser dificil acostumar rsrs

rander disse...

realmente como o leitor acima falou...
vai ficar estranho msm uma nova teoria de como o navio afundou ....

Lucas Rubio disse...

Que interessantíssimo amigo Rodrigo!!! Realmente vai ser muito "diferente" ver a nova simulação do naufrágio.
É muito bom saber que há alta tecnologia sendo empregada em prol de se manter viva a história do Titanic...

Rodrigo disse...

E se preparem, aí vêm uma simulação um pouco diferente do que já conhecemos. Não será uma reviravolta, mas já sei no que haverá mudança. O trabalho de nova pesquisa para esta reformulação vêm de um nome bem conhecido: James Cameron...

Anônimo disse...

Caramba, Rodrigo uma nova simulação vai ajudar e muito a saber como foi o naufrágio real, vai ser incrível !
Ruan Pimentel

Anônimo disse...

É verdade vai ser estranho ver esta nova animação do naufragio mais sera que anda existem as 4 grandes chamides ou elas se deterioraram com o tempo ???

Rodrigo disse...

Olá

Obrigado pela atenção ao blog.

A nova simulação já foi divulgada em abril deste ano, no documentário "Titanic: The Final Word with James Cameron", pelo Canal National Geographic (tanto o estrangeiro quanto o brasileiro). O vídeo da simulação já está no blog faz meses, ele é o primeiro vídeo da matéria "Redescoberta do Titanic em 1985 e Situação Atual", que pode ser acessada diretamente pelo topo do blog, no link "Destroços".


A simulação revelou novos detalhes: o Titanic adernou moderadamente para bombordo antes de naufragar (coisa que já se sabia há muitos anos, mas ninguém citava, nem o filme de James Cameron mostrou), e que a quebra ocorreu à frente da chaminé de Nº 03, e não logo atrás dela, como antes se imaginava.

Quanto às chaminés não há absolutamente nada delas que seja reconhecível à primeira vista, o que sobrou mesmo foi algumas tubulações exteriores e os apitos de bronze, pois o bronze não se deteriora facilmente. inclusive alguns deles já foram resgatados há anos, e são expostos pela empresa RMS Titanic INC.

O sumiço das chaminés, que antes parecia um mistério, na verdade é muito simples: elas eram feitas de champas de aço muito mais finas do que o casco do navio. Durante o processo do naufrágio elas se desprenderam e se despedaçaram enquanto desciam os 3.800 metros em direção ao fundo... Daí em diante, a corrosão fez seu trabalho após os 100 anos, e delas praticamente não sobrou nada. A não ser, é claro, peças irreconhecíveis, os apitos e algumas tubulações...

francisco liduino disse...

Comentam ate hoje,segundo os historiadores que alguem falou que nem Deus afundaria o navio.Sera que seria um castigo?ou mera coisidençia?

Rodrigo disse...

Oi Francisco. Olha, o que posso dizer é que já fazem 10 anos que leio sobre o Titanic, já vasculhei mais de 30 livros, entre eles alguns dos mais famosos sobre o assunto jamais encontrei qualquer fonte que confirme que a frase foi dita por qualquer pessoa que seja.

Na Internet algumas das milhares fontes dão conta de que a frase foi dita para uma passageira ao perguntar sobre a inafundabilidade do Titanic... Outras fontes dão conta de que a frase foi dita por um trabalhador no dia em que o Titanic foi lançado ao mar...

Eu sinceramente tenho convicção de que a frase não foi dita. Basta parar 1 minuto para analisar: Se ela tivesse sido dita por qualquer pessoa que fosse, é óbvio e evidente que o nome da "pessoa infame" estaria escancarado em absolutamente todas as fontes sobre o Titanic. Basta lembrar que hoje se conheçe até que tipo de puxador de gaveta foi utilizado nos móveis do Titanic... Porque motivo não se saberia o simples nome do autor de uma frase tão "chocante"?

A questão não tem nada a ver com frase dita ou não dita. A tragédia do Titanic, independente de qualquer frase, se tornou um exemplo berrante da imprudência dos homens. E é obvio, a frase "Nem Deus pode afundar este navio" cabe perfeitamente para resumir os motivos da tragédia. E ela foi criada no pós-naufrágio, quando a tragédia ganhou dimensões até então nunca vistas e entrou para o conto popular, pulando de boca em boca.

Se as pessoas em geral soubessem da quantidade de lendas e invenções que rondam a história do Titanic elas certamente iriam querer estudá-lo com mais atenção.

Eu sigo acreditando piamente que ela não foi dita por ninguém. Mas entre eu acreditar e as pessoas se convencerem de que se trata de lenda enraizada; ah, aí têm um longo caminho....

Deus não mata, não fere e não destrói ninguém, Deus é sinônimo de amor e de libertação. Deus eferece a liberdade plena de que façamos o que quiser. E ao mesmo tempo ele deixa o caminho livre para que nós respondamos às boas a más consequências de nossos próprios atos; ou seja, ele não castiga ninguém, ao contrário, nós é que respondemos pelas consequências de nossos próprios atos, que cometemos com a liberdade que ele nos deu. Se os atos são bons, as consequencias são boas, se ruins, as consequencias igualmente ruins.

Deus não guiava o Titanic naquela noite. Mas ele deu a liberdade para que os oficiais à bordo guiassem aquela criação da tecnologia com prudência e atenção. Os oficiais não foram prudentes, não respeitaram a margem do perigo, e os outros responderam por isto. Ou seja, Deus viu tudo, deu a liberdade de escolha, e os homens escolheram errado por conta própria. Quem causou a morte de tantos. Deus ou os homens?

É claro, foram os homens. Deus não mata, não fere e nem destrói. Ele, em sua infinita bondade, oferece a plena liberdade de agir.

É muito mais interessante imaginar que Deus castiga (o que não é verdade) do que asumir que as consequências ruins pelas quais aquelas pessoas passaram foram pura e simplesmente responsabilidade daqueles que guiaram o Titanic imprudentemente. E isto se aplica até hoje: Ato errado, consequência ruim.

Castigo de Deus?
Não, consequência direta de atos errados cometidos.

Anônimo disse...

Jose. a

Concordo com a opinião de Rodrigo, é verdade que Deus não castiga, e nos dá o livre arbítrio na vida.

A vida tem muitos mistérios que nunca serão alcançados ou revelados.

Mas tenho a certeza de que Deus é mestre do universo, ele é. E tem o poder de decidir quem vive e quem morre, com certeza.

Não vamos fazer esta uma questão extremamente filosófica.

Mas a verdade é que o público comum sempre diz que foi castigo de Deus, muitas vezes causados ​​pela ignorância das pessoas sobre a história do Titanic ou a sua ignorância pessoal.

Bem, agora a questão o grande mistério é.

Existe o destino, tem sido mostrado na história muitas vezes, e na vida de muitas pessoas, em nosso dia a dia, nada acontece por acaso, tudo tem um porque. Não há coincidências.

A chave de tudo é, agora a questão é?. Quem escreve o destino?...

Será que é Deus Todo-Poderoso?.

Provavelmente a resposta a essa pergunta é...

Sim.

Saudações a todos. Obrigado.
jose aurelio. expert do Titanic.
do continente europeu.

Anônimo disse...

1 - "Se ela tivesse sido dita por qualquer pessoa que fosse, é óbvio e evidente que o nome da "pessoa infame" estaria escancarado em absolutamente todas as fontes sobre o Titanic"
Essa argumentação não vale nesse caso, pois como o Titanic era considerado inafundável, uma frase dessas dita antes dele afundar não deve ter causado muito efeito. O efeito que essa frase só ganhou notoriedade após a tragédia. As vezes as pessoas não lembram o que comeram no dia anterior, imagina lembrar o nome de uma pessoas, ainda mais que quem relatou a frase podia não conhecer a pessoa que a criou. Por isso esse argumento é falho.
2 - "Concordo com a opinião de Rodrigo, é verdade que Deus não castiga, e nos dá o livre arbítrio na vida."
Essa outra frase pode se referir a qualquer deus, mas não do Deus da bíblia, caso contrário a bíblia não traria relatos como o de Sodoma e Gomorra nem sobre o Dilúvio.

Rodrigo disse...

E é lendo opiniões e informações trazidas de outras pessoas, com visão diferente, religião diferente, formação diferente... que eu sigo reavaliando aquilo que eu acho que sei, independente de que assunto seja.

Felizmente é possível formular novas idéias avaliando a opinião de outros. A vida passa rápido, e é de caco em caco que construímos nossa visão cultura pessoal.

Agradeço sua observação.

Anônimo disse...


Oi Rodrigo

Acabei de ver um documentário do Nat Geo em que grande parte da culpa é colocada sobre os rebites usados.

https://www.youtube.com/watch?v=6C5avHWT0lA

Pelas suas pesquisas, o quevc acha?

Meg

Rodrigo disse...

Olá,

eu não acredito que a alegação sobre "rebites de má qualidade" tenha vindo interferir tão seriamente no naufrágio. Para mim isto tem muito mais cara de procura desesperada de novos culpados para render novos documentários.

Segundo eu consigo entender, os rebites realmente não eram de qualidade excelente, mas acredito piamente que qualquer transatlântico daquela época, se submetido a um golpe tão forte contra um iceberg ou algo do tipo, teria sofrido tantos danos quanto o Titanic. Chapas submetidas a tamanha pressão certamente se rompem nas "costuras de rebites"; a colisão foi forte demais.

Se os ditos "rebites fracos" tiveram alguma influência agravante na tragédia, em minha opinião de leigo, esta influência não seria maior do que em qualquer transatlântico que percorria aquela mesma rota.

Transatlântico nenhum daquela época era feito forte o suficiente para ir de encontro direto com icebergs sem sofrer danos sérios, independente de qual fosse a qualidade de seus rebites.

Isto é minha opinião, tirada daquilo que eu posso entender.

Anônimo disse...

Alguem sans se a piscina se encontra preservada?eu pergunto isto porque nas expedicoes nunca mostraram a piscina.