oncontextmenu='return false'>expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 2 de abril de 2016

Maquete do Titanic: Brasileiro dedica 22 meses na criação de um modelo detalhado do navio, e conclui a obra no aniversário de 104 anos do naufrágio

http://oi67.tinypic.com/2ljqlwy.jpg
 Seja bem vindo ao Titanic em Foco
*O site "Titanic em Foco" é um blog amador brasileiro sem fim lucrativos, criado e editado pelo entusiasta paranaense Rodrigo Piller desde 2009, que divulga material relacionado à história e legado do Titanic aos leitores da língua portuguesa. Aqui você encontra a história do mais famoso navio de todos os tempos, curiosidades, arte e notícias e mais.

Reportagem sobre a maquete que foi ao ar no dia 14 de junho de 2016 no programa "Encontro com Fátima Bernardes" pela Rede Globo

  
Reportagem sobre a maquete que foi ao ar no dia 14 de maio abril de 2016 no programa "Meu Paraná" pela RPC, afiliada da Rede Globo do estado do Paraná (ou assista diretamente no site globo.com AQUI)
Reportagem sobre a maquete que foi ao ar no dia 15 de abril de 2016 no jornal "Paraná TV" pela RPC, afiliada da Rede Globo do estado do Paraná (ou assista diretamente no site globo.com AQUI)


NOS VÍDEOS ABAIXO: Modelo do Titanic na escala 1:100, construido do zero absoluto com materiais alternativos pelo paranaense Rodrigo Piller, entre maio de 2014 e abril  de 2016, um trabalho que consumiu 2.500 horas de mão de obra. A maquete mede 2,69 metros de comprimento e é populada com mais de 200 miniaturas de figuras humanas modeladas e pintadas à mão. Composto por mais de 8 mil peças avulsas criadas uma a uma manualmente, o modelo é também iluminado por mais de 700 luzes internas. Há também a recriação de alguns momentos e fotos históricas de passageiros reais do Titanic, que foram replicados em miniatura tal e qual aparecem nas fotos de época verídicas tiradas em 1912. 

Na maquete há a simulação estática de vários procedimentos no Titanic, todos recriados de maneira livre, desconectados uns dos outros para que o espectador consiga ver parte da rotina do navio em vários lugares e em tempos diferentes. Eu, Rodrigo, criador do modelo, também sou uma das figuras da maquete, pois estou em miniatura sobre o teto da Grande Escadaria da 1ª classe onde seguro nas mãos um micro projeto do Titanic. O modelo foi concluído em abril de 2016, no aniversário dos 104 anos da conclusão da construção e naufrágio do Titanic, que foi terminado em 02 de abril de 1912, e apenas 13 dias depois, na madrugada de 15 de abril, naufragou no Atlântico Norte após uma colisão como um iceberg na noite anterior.

Para deixar seu comentário, acesse AQUI
.
Vídeo I, pôr do sol ao fundo

.
Vídeo II, céu azul


Vídeo III
produzido pela Sociedade Histórica Brasileira do Titanic - SHBT (Facebook AQUI)
 .
Vídeo produzido pelo amigo Victor Villa, entusiasta do Titanic e fundador da Sociedade Histórica Brasileira do Titanic.



 
Galeria
(***Mais fotos ao final da matéria)
.
Abaixo: Inspirado por algumas das mais interessantes cenas do filme "Titanic" (1997) onde o navio segue a toda velocidade em direção ao seu destino (como a cena AO LADO), posicionei o meu modelo de 2 metros e 69 centímetros de comprimento contra um plano de fundo com um céu artificial que pintei com spray branco numa longa faixa de TNT azul claro. O verdadeiro Titanic era novo folha quando naufragou em 15 de abril de 1912, havia apenas 13 que sua construção tinha acabado... Mas indo na contramão da história, optei por incluir uma generosa dose de "ferrugem" ao longo do casco da maquete como liberdade artística, depois de perceber que a simulação de ferrugem deixou o visual do modelo 3 vezes mais realista em relação à cor "chapada" de antes envelhecimento forçado. Assim, com ferrugem adicionado, a sensação de realismo da maquete melhora muito.
k
Abaixo: Pesando pouco mais de 40 quilos, a maquete aqui lembra a CENA AO LADO do filme "Titanic" (1997), onde o o transatlântico segue viagem em mar aberto. A cena ao lado foi gravada também com uma maquete do navio, que foi ambientada e "populada" com pessoas, céu e mar criados com efeitos especiais criados em computador. Enquanto o modelo criado para o filme consumiu sete meses de trabalho e dezenas de profissionais e artistas da área trabalhando ininterruptamente... eu trabalhei no meu modelo durante 22 meses nas horas vagas e finais de semana apenas.
.
Abaixo: Iluminada por mais de 700 lâmpadas internas incandescentes e 450 lâmpadas externas do tipo LED, a maquete simula o Titanic indo em direção ao pôr do sol, um panorama inspirado pelas cenas do filme "Titanic" (1997), dirigido por James Cameron. Uma das cenas que me inspiraram a criar este visual foi esta AQUI, onde o Titanic viaja sob as últimos raios do entardecer. Absolutamente todo o trabalho aqui é artesanal, partindo da caixa onde esta modelo que construí em MDF, passando pela pintura que fiz com tinta comum fosca para pintura de parede, até a cortina que decora a bancada do modelo, que foi costurada pela minha mãe. CLIQUE NA FOTO para vê-la maior.

Abaixo: Os personagens "Rose e Jack não poderiam deixar de marcar presença, então os coloquei numa situação mais correta, dentro do contexto histórico (e estraguei a ideia romantizada do filme, kkk). Se Jack e Rose tivessem sido passageiros reais do verdadeiro Titanic (eles são apenas personagens ficcionais criados por James Cameron), em 1912 teriam sido impedidos de chegar até a proa do Titanic, pois o local era vetado ao acesso de passageiros por ser uma área de risco devido os muitos aparatos de operação instalados nesta área. Aqui ambos são alertados por um tripulante, que os impede de ultrapassar a mureta do quebra mar, onde há uma pequena placa com os dizeres "NOTICE - PASSENGERS ARE NOT ALLOWED FORWARD OF THIS" (Tradução: "AVISO - PASSAGEIROS NÃO SÃO PERMITIDOS A PARTIR DAQUI". A pequena placa realmente existiu no verdadeiro Titanic, e estava afixada precisamente aqui neste ponto. Para modelar as duas pequenas miniaturas de Rose e Jack usei as cenas do filme como referência, e pintei ambos com as cores aproximadas das roupas que usam na famosa cena romântica onde abrem os braços na proa do transatlântico. Minha versão em miniatura do Jack parece tentar explicar o que o casal pretendia ao ir para a frente do navio... deu ruim, nada feito...
.
Abaixo: Baseado numa das cenas do início do filme "Titanic" (1997), optei por mostrar a pequena miniatura do renault 1911, que fiz integralmente à mão, suspensa por um guindaste para ser embarcada no porão de carga frontal. O verdadeiro renault era propriedade do passageiro William Ernest Carter, que havia comprado o possante na Europa e o estava levando para os Estados Unidos. Carter e família sobreviveram ao naufrágio, mas o carro naufragou com o Titanic. Cena na qual me baseei AQUI

k
Abaixo: Segurando uma bengala, um velhinho se aproxima da amurada frontal do convés A do Titanic. Para dar alguma vida à maquete optei por modelar à mão com biscuit (porcelana fria) pouco mais de 200 miniaturas de pessoas com não mais de 2 cm de altura. O trabalho consumiu 12 dias, num ritmo de aproximadamente 20 miniaturas por dia, sendo que as mais complexas consumiram um pouco mais de mão de obra. Modelei homens, mulheres, crianças, e também tripulantes. As únicas criaturas que não consegui modelar de forma alguma foram os cachorros dos passageiros da 1ª classe (SIM, no Titanic haviam cachorros, oito pelo menos), que tive de comprar prontos numa loja de modelismo, comprei seis cachorros apenas.

Abaixo: O inconfundível capitão Edward John Smith posa numa fotografia para os repórteres às portas da ponte de comando. Criei o momento abaixo baseado numa foto verídica do Titanic, tirada precisamente no mesmo local. Minha maior licença aqui foi de recriar o fotógrafo com sua máquina e um repórter com sua caderneta em mãos; evidentemente a foto histórica não exibe os dois, mas exibe Smith posando orgulhosamente frente às lentes. Minha intenção foi de recriar o visual de Smith de maneira aproximada, o que foi facilitado, e muito, pela inconfundível barba branca e uniforme com sobretudo de botões dourados. A curiosidade bateu? Então veja a foto real na qual me baseei AQUI

Abaixo: Para uma referência de dimensão, nesta foto eu seguro o bote salva vidas de emergência nº 02, que mede apenas 8 cm de comprimento. Dentro do pequeno bote há seis miniaturas de remos amarrados juntos e também o leme depositado no fundo do barquinho. Os botes nº 01 e 02 no Titanic ficavam alojados perto da ponte de comando e permanentemente descobertos e pendentes para fora das bordas do convés para que numa eventual situação de urgência, estivessem preparados para uso imediato; cada um deles podia acomodar 40 pessoas.
.
Abaixo: Um tripulante remove a lona do bote salva-vidas nº 06, que na vida real podia acolher 65 pessoas com segurança. Para simular a ideia de movimento na maquete adaptei vários momentos curiosos em pontos distintos, sempre desconectados uns dos outros, assim quem vê o modelo consegue imaginar parte da rotina a bordo do Titanic. Diferente dos demais botes que criei com gesso, os 4 botes abertos da maquete foram feitos com nada mais que papel sulfite, cartolina e horas a fio de muito trabalho; cada um destes pequenos botes consumiu mais de 6 horas de concentração para ficarem prontos, além de vários dias de pesquisas sobre seus detalhes.

http://i818.photobucket.com/albums/zz107/rodriller/titanic_maquete_rodrigo_piller_brasil.gifAo lado e abaixo: Eu, Rodrigo, também quis estar a bordo deste Titanic, resolvi modelar à mim próprio, repetindo no visual as cores que mais repito no dia a dia... Uma camisa branca que não desgruda do corpo e uma calça marrom com sapato preto que já andam sozinhos... (kkk). Uma bolsa de carteiro fecha o visual, enquanto seguro uma planta do Titanic, com outras plantas enroladas espalhadas pelo chão. O que eu estaria fazendo a bordo com roupas atuais? Certamente bisbilhotando e pesquisando para criar minha maquete...

Abaixo: Um passageiro da 1ª classe galanteia uma bela jovem com um beijo cavalheiresco em sua mão... Momento açucarado que não foi baseado em nenhuma cena ou foto específica, mas representa bem as maneiras do início do século passado, onde o romantismo estava em voga. Apesar de não seguir nenhuma foto neste sentido, a cena que recriei lembra uma das mais fantásticas ilustrações feitas pelo artista norte americano Ken Marschall, onde um cavalheiro cumprimenta uma dama aos pés da grande escadaria da 1ª classe do Titanic. Ilustração AQUI
.
Abaixo: Tripulantes trabalham na lavagem do convés próximo ao ginásio de exercícios do Titanic. Criar as miniaturas destes trabalhadores à mão foi um dos trabalhos mais divertidos, apesar de serem poucos. Baseei este pequeno momento em uma foto de época tirada a bordo do RMS Olympic (foto AQUI), o navio irmão gêmeo do Titanic, tirada numa ocasião enquanto o navio estava atracado junto ao porto. Com o Titanic o mesmo tipo de trabalho de limpeza com certeza foi feito, contanto não há fotos verídicas que registrem este momento especificamente no Titanic.
,
Abaixo: Sendo cuidada por uma criada, uma garotinha analisa um pequeno cachorro sem coleira no convés de botes do Titanic. Aqui ambas foram modeladas à mão com biscuit, mas a miniatura do cãozinho veio de uma loja de modelismo, visto que não consegui modelar de forma alguma os tais cachorros, pequenos demais para minha habilidade. Apenas 6 figuras humanas e 6 cachorros foram comprados prontos, e serviram como base de informação para que eu modelasse minhas outras 227 miniaturas. A plataforma cheia de janelas baixas atrás de ambas, chamada de "teto do lounge" foi uma das peças que tive de refazer do zero porque a primeira versão sofria distorções com as mudanças de clima. Trabalho redobrado que consumiu mais de uma semana para ser refeito.

Abaixo: Passageiros da 1ª classe jogam shuffleboard no convés do Titanic. Shuffleboard era um jogo bastante comum em navios no período do Titanic e, segundo consta nas fontes que consultei, as tabelas para o jogo eram desenhadas provisoriamente à mão pelos tripulantes do navio. Na maquete há 4 destas tabelas. Como não existem registros de que o jogo tenha sido praticado no Titanic, baseei este momento NESTA FOTO, tirada em um outro navio por volta da década de 1940/50.

Abaixo: Uma passageira da 1ª classe admira o oceano enquanto segura seu cão com uma coleira. Para recriar este detalhe sutil usei como inspiração uma das cenas do filme "Titanic" (1997) onde os personagens principais "Rose e Jack" (Kate Winslet e Leonardo DiCaprio) conversam ao ar livre no mais alto pavimento do navio enquanto que, ao fundo, uma bela senhora segura um cão pela coleira olhando distraidamente para o movimento de passageiros à caminhar pelo navio e observa também o oceano.

Abaixo: O pequeno Jack Odell, 11 anos, passageiro da 1ª classe, posa para uma fotografia para registrar sua passagem pelo Titanic. Odell desembarcou com a família na cidade de Queenstown (conhecida como hoje Cobh), em 11 de abril de 1912, um dia depois do início da viagem, quando o Titanic fez sua última escala na Europa. Aqui minha liberdade foi de recriar o fotógrafo com sua câmera, no entanto na vida real acredito que foi um membro da própria família de Odell que tirou a foto, e não um repórter de imprensa com um tripé. Veja a foto real na qual me baseei livremente AQUI

Abaixo: Pendurado em um balancim, um pintor retoca a pintura da 3ª chaminé. A fumaça negra que saía das chaminés dos navios movidos à vapor era sempre um verdadeiro inconveniente, sempre sujando tudo ao redor, o que obrigava que a pintura fosse constantemente retocada para que a sujidade exagerada não prejudicasse o visual, que deveria estar sempre em dia. A pintura das quatro chaminés do Titanic foi de fato retocada nos dias anteriores ao início da viagem enquanto ele esteve atracado no porto de Southmpton, Inglaterra. Para recriar este momento de trabalho me baseei NESTA FOTO, onde trabalhadores aparecem pendurados ao redor da 3ª chaminé retocando a pintura a bordo do RMS Olympic, o navio gêmeo do Titanic.

Abaixo: E se eu te dissesse que na maquete existe um artefato que de fato esteve a bordo do verdadeiro Titanic? Você acreditaria?
Pois então... as únicas peças resgatadas dos escombros do verdadeiro Titanic que podem ser compradas pelo público em geral são pequenos fragmentos de carvão mineral. Carvão era o combustível depositado nas enormes caldeiras pelos carvoeiros, responsáveis por fornecer vapor e mover os motores do transatlântico. Estes pequenos fragmentos de carvão recuperados dos escombros do Titanic e vendidos ao público não são maiores que uma azeitona (VEJA A FOTO AQUI), e são comprados em pequenas caixas de acrílico, que não custam caro, e fazem parte da coleção de centenas de colecionadores ao redor do mundo. Há anos atrás ganhei de presente um destes carvões de um colega que o trouxe de uma exposição nos Estados Unidos, meu trabalho então foi de depositar um pouco deste carvão na maquete. E aí, você sabe onde eu depositei uma pequena quantidade de carvão recuperado do verdadeiro Titanic?... Não?... Então olhe para o minúsculo balde dourado em cima do telhado, perto da tubulação... Isso mesmo! Neste pequeno balde tem uma ínfima quantidade de carvão do Titanic, que triturei em pequenos pedaços e depositei no balde com cola para fixar tudo. E isto traz alguma autenticidade para meu trabalho, de uma forma bem estranha.

Abaixo: Com sua câmera posicionada dentro da área de passeio e repouso reservada  apenas para os engenheiros da sala de máquinas, um fotógrafo mira uma cena distante, com três passageiros da 2ª classe se arriscando em equilíbrio aos pés da quarta chaminé. O fotógrafo aqui é uma liberdade criativa minha, mas o grupo de passageiros "equilibristas e ousados" realmente existiu. Charles Whilems, passageiro da 2ª classe, foi fotografado equilibrando-se aos pés da chaminé junto de duas damas não identificadas, e meu trabalho foi de copiar a cena para a maquete. Charles sobreviveu ao naufrágio, e sua foto aos pés da chaminé é muito raramente publicada nos livros. Veja a foto real na qual me baseei AQUI.

Abaixo: Charles Whilems, passageiro da 2ª classe, é fotografado equilibrando-se aos pés da chaminé junto de duas damas não identificadas, e meu trabalho foi de copiar a cena para a maquete. Charles sobreviveu ao naufrágio, e sua foto aos pés da chaminé é muito raramente publicada nos livros. Veja a foto real na qual me baseei AQUI. Curioso mesmo é saber que esta área era vetada ao acesso de passageiros e certamente o trio teria escalado até o local à pedido da imprensa, para um registro de comparação entre o tamanho gigantesco da chaminé do navio, que media 19 metros de altura.

Abaixo: Membros da tripulação fazem um teste do bote salva vidas nº 14, arriando o mesmo com 3 tripulantes a bordo. O momento que eu reproduzi aqui na maquete foi baseado NESTA FOTO tirada em 06 de maio de 1912, apenas vinte e um dias após o naufrágio do Titanic, quando membros da comissão britânica de investigação sobre o desastre do Titanic efetuaram um teste de arriação num bote salva-vidas do RMS Olympic, o navio irmão do Titanic. Na manhã de 10 de abril de 1912, o dia da partida, o mesmo tipo de teste foi aplicado em dois botes salva vidas do Titanic enquanto o navio ainda estava atracado junto à doca nº 44. Os botes salva vidas de ambos os navios irmãos foram instalados a 18,5 metros acima do nível da água, uma altura que pareceu ameaçadora para os amedrontados passageiros na escura e fria madrugada de 15 de abril de 1912.

Abaixo: Um tripulante da casa de máquinas sobe até o topo da 4ª chaminé do Titanic para tomar ar fresco... O momento que eu recriei em miniatura é de fato baseado em um acontecimento verídico do 2º dia de viagem, quando o Titanic fez sua segunda e última escala na costa da cidade de Queenstown (atual Cobh), Irlanda, por volta das 12:30 da quinta feira, 11 de abril de 1912: Momentos antes do Titanic finalmente levantar âncora da costa de Queenstown e seguir rumo à New York, algo inusitado acontece... Um tripulante da sala de máquinas com rosto enegrecido de fuligem sobe pelo interior da 4ª chaminé – que media 19 metros de altura – e do topo olha para os passageiros abaixo. A atitude inesperada gera alguma comoção,e algumas mulheres interpretam a estranha aparição como um mau presságio. A foto verídica na qual me baseei é esta AQUI, que flagra exatamente o momento que reproduzi.

Abaixo: O pequeno Robert Douglas Spedden, 6 anos, passageiro da 1ª classe, joga pião junto de seu pai, Frederic Oakley Spedden, enquanto é observado por dois companheiros de viagem, e a cena é fotografada bem de perto. Copiei a cena abaixo desta foto foto verídica do Titanic AQUI, tirada em 11 de abril de 1912, em sua segunda e última escala na Europa.Observe a cadeira espreguiçadeira ao fundo com um paletó jogado sobre o assento, detalhe que está também presente na foto de época na qual me baseei.

Abaixo: Um pequeno passageiro da 1ª classe brinca num balanço aos pés do mastro traseiro do Titanic enquanto é cuidado por sua mãe. Não se conhece qualquer registro de que no Titanic havia qualquer balanço deste tipo para as crianças, no entanto o mesmo tipo de brinquedo improvisado pode ser visto em pleno uso nas fotos tiradas a bordo do RMS Olympic, o navio gêmeo do Titanic. Certamente com o Titanic o mesmo tipo de divertimento teria sido utilizado nos anos seguintes se o naufrágio não tivesse interrompido sua história. Para recriar este momento me baseei NESTA FOTO, tirada a bordo do Olympic anos depois do naufrágio do Titanic, onde garotos são fotografados brincando em balanços instalados aos pés do mastro traseiro do navio, na área de passeio reservada aos passageiros da 1ª classe.


Abaixo: Tripulantes trabalham no processo de embarque de carga na área traseira do Titanic, com caixas empilhadas e um guindaste em plena operação. A carga foi embarcada no Titanic entre os dias 03 e 10 de abril de 1912, enquanto o navio esteve atracado no porto de Southampton, Inglaterra, antes do início da viagem. Hoje se conhece raras fotos verídicas do processo de embarque de carga, então baseei livremente o momento que recriei aqui NESTA CENA da microssérie "Titanic" lançada em 2012, dirigida por Julian Fellowes.


Abaixo: Um tripulante passeia com quatro cachorros pertencentes aos passageiros da 1ª classe na popa do Titanic, uma área de passeio dos passageiros da 3ª classe. Não baseei esta cena em nenhuma foto em específico, mas nas informações de que este era de fato o procedimento adotado no verdadeiro Titanic. Ao que se sabe, haviam pelo menos 8 cachorros no navio sendo transportados por seus donos. O canil estava localizado nas entranhas do convés F, e levá-los para passear na área dos passageiros mais humildes aparentemente era parte da rotina. No filme "Titanic" (1997), o personagem "Tommy Ryan" (Jason Barry), colega de viagem de "Jack" (Leonardo DiCaprio), diz a seguinte frase ao ver um tripulante passeando com cachorros "Olha só, isso é típico, os safados da 1ª classe trazem os cachorros para fazer cocô aqui!... [e Jack responde] "Assim mostram pra gente qual é nosso lugar na sociedade"...

.
Abaixo: Um passageiro da 3ª classe repousa tranquilamente deitado numa cadeira espreguiçadeira na extrema ré do navio, na popa do Titanic. Baseei este momento sutil nesta foto AQUI, tirada em 11 de abril de 1912, o segundo dia da viagem, enquanto o Titanic esteve ancorado em sua segunda e última escala na Europa. Curioso é que ao que se sabe historicamente, passageiros da 3ª classe não contavam com o luxo de locar cadeiras para seu uso próprio, vantagem que era reservada exclusivamente para os passageiros da primeira e da segunda classe. A presença de um humilde passageiro utilizando um "luxo" que só era reservado às outras classes é no mínimo curioso.
k
DETALHES SOBRE A MAQUETE
  • Criador: Rodrigo Piller, 29 anos, paranaense, entusiasta da história do Titanic e artista plástico amador.
  • Tipo de maquete: Modelo do tipo "waterline" [ou seja, um modelo que representa o Titanic da linha d'água para cima, que mostra o Titanic na configuração de "navegando"], iluminado e populado com figuras humanas. Modelo também chamado de diorama, ou seja, uma maquete com inclusão de figuras humanas que representam cenas históricas e do cotidiano, além de simulação de outras atividades e "movimentos".
  • Dimensões da maquete: 2 m 69 cm de comprimento / 32 cm de largura extrema / 65 cm de altura máxima / Modelo na escala 1:100 (1 para cem) ***Nesta escala seriam necessárias 100 maquetes deste comprimento enfileiradas uma após a outra para alcançar o comprimento do verdadeiro navio, que media 269 m de comprimento.
  • Peso: Apenas a maquete pesa cerca de 40 Kg / Conjunto total "maquete+vitrine+bancada" com cerca de 180 Kg ao todo.
  • Peças: Mais de 8 mil peças avulsas criadas integralmente à mão uma a uma.
  • Quantidade de luzes: Cerca de 700 luzes internas incandescentes (pisca de natal do tipo "arroz") e 650 luzes de LED externas para iluminação adicional.
  • Tempo total de criação: 22 meses, de maio de 2014 à abril de 2016.
  • Média de trabalho por semana: Cerca de 28 horas semanais em média contínua durante 22 meses. Algo em torno de 2.500 horas de trabalho ao todo.
  • Fontes de pesquisa: Fotos de época verídicas do Titanic (e fotos do navio irmão gêmeo do Titanic, o RMS Olympic) distribuídas nos livros (mais de 60 livros em minha coleção) e vindas da Internet, e também dados coletados em discussões em fóruns especializados de todo o mundo. Também foram utilizados como fontes vários filmes, documentários, maquetes criadas por terceiros, e recriações do Titanic em computação gráfica divulgadas online feitas por especialista de todo o mundo.
  • Tempo de pesquisa até a construção: De 2002 até 2014, com pesquisa adicional constante durante os 22 meses de trabalho até o fim em abril de 2016 totalizando então 14 anos de levantamento.
  • Principais materiais empregados: Algo em torno de 80% do modelo é composto por uma variedade grande de diferentes tipos de papel, partindo desde papelão comum, passando por cartolina, cartão e papel pinho (papel paraná). Mas também há materiais variados como arame, palitos de dente, de churrasco e de sorvete, e um infinidade de mais de 60 materiais diversos que vão desde porcelana fria à gesso, de embalagens descartáveis até piscas de natal.
  • Únicos materiais profissionais utilizados: Laminado hiper fino de madeira 'Garapeira' para o revestimento superficial dos pisos aparentes da maquete, acetato transparente (plástico rígido) para as simulações de vidro nas centenas de janelas e resina acrílica azul para a simulação do oceano (nenhum destes materiais foi comprado em lojas de modelismo), e apenas 6 figuras humanas para modelismo profissional + 6 miniaturas de cachorros, que foram impossíveis de modelar à mão. As demais 227 figuras humanas foram feitas à mão com biscuit (porcelana fria).
  • Dimensões da vitrine: Vitrine criada de MDF com 51 cm de profundidade / 81 cm de altura / 2,82 m de comprimento / o conjunto completo montado com bancada mede 1,52 m de altura extrema.
  • Proteção: Uma peça única de vidro frontal de 8 mm com 73 cm de altura X 2,78 de comprimento, pesando 42 quilos.
Você encararia o desafio de dedicar 22 meses, ou cerca de 2.500 horas de trabalho, construindo com as próprias mãos um modelo de 2,69 m de comprimento do inesquecível Titanic?

Pois foi este o desafio pessoal a que me propus, num sonho já antigo, que só tive coragem de encarar em maio de  2014, e no qual trabalhei nos últimos 22 meses, terminando agora, abril de 2016, quinze dias antes dos 104 anos do naufrágio do Titanic, que será relembrado no próximo 15 de abril de 2016.
Breve foto aqui
Acompanhe

Há 107 anos, em 31 de março de 1909, na cidade de Belfast, capital da Irlanda do Norte, começava a construção do navio que viria a carregar o nome mais popular da história da navegação. Sob os comandos dos famosos estaleiros Harland and Wolff, e os esforços monumentais de 15 mil trabalhadores, em 02 de abril de 1912 terminava a construção do Titanic, três anos foram consumidos na obra do transatlântico que se tornou de fato o maior objeto móvel já criado pelo homem até aquela data, o maior navio de passageiros naquela época, amplamente divulgado como o mais luxuoso sobre os mares, e com razão, não havia navio páreo para o luxo aplicado ao leviatã da engenharia naval.

Pela obra do destino, da fatalidade, da imprudência ou dos meandros daquilo que não se pode explicar de fato com palavras simples, treze dias depois do término das obras, em 15 de abril de 1912, apenas cinco dias após partir festivamente das margens do porto da cidade de Southampton, Inglaterra, carregando 2.200 pessoas a bordo em três classes distintas juntamente com tripulantes, repousava as ruínas deste navio sob as águas de um oceano com 3.800 metros de profundidade, num desfecho trágico após a colisão com um iceberg às 23:40 de 14 de abril de 1912. Um desastre de conhecimento mundial que vitimou 1.500 pessoas, de pobres imigrantes à milionários da alta sociedade, incluindo o próprio capitão, que não fugiu ao destino, e naufragou com seu navio sem abandonar seu posto e dever.
.
E na conjunção de ironia, histórias mal contadas, superlativos, lendas e fanatismo, o Titanic entraria então para a história de maneira definitiva se fixando na cultura e no imaginário popular através dos anos, sendo continuamente relembrado e imortalizado nos filmes, na literatura, na pintura, no modelismo e nas demais manifestações de arte que via de regra circundam os grandes e inesquecíveis eventos históricos.

E foi na sétima arte, o cinema, que o Titanic retornou retumbantemente como conto popular... quem é que pode esquecer o sucesso de um dos maiores, mais vistos da história?

Vindo das criativas - e milionárias - mãos de um diretor que tanto tem de visionário quanto de megalomaníaco, "Titanic" (1997), o filme com Kate Winslet e Leonardo DiCaprio nos papéis do casal romântico ficcional "Rose" e "Jack", se tornou também um conto de si mesmo, repetindo a dose de popularidade em escala igual - ou até maior - que o verdadeiro Titanic, e ganhando lugar cativo nos corações de fãs pelo mundo afora - e um ranço de enjoo de muita gente também, devido ao excesso de exploração do assunto. Gostando ou não, "Titanic" se tornou vencedor de 11 estatuetas do Oscar, de um trio de apenas três filmes na história que conseguiram o mesmo feito.

Fascinado por arte e um adolescente em 1998 eu, Rodrigo, criador e editor deste blog, o "Titanic em Foco", - blog que mantenho como amador desde 2009 - fui também capturado pela avassaladora onda de curiosidade e interesse que se instalou sobre esta obra épica do cinema. Numa curiosidade que misturou encanto pela grandiosidade da história que faz plano de fundo ao casal romântico "Rose de Jack", e admiração pelo trabalho monumental de arte que possibilitou recriar Titanic com esmero de detalhes para mostrá-lo fisicamente nas telonas, acabei me tornando um fiel curioso e entusiasta do assunto pelos anos seguintes, num interesse que não esvaneceu até a presente data. Acabei me tornando um curioso contínuo  do assunto e reunindo uma pequena coleção de livros e uma infinidade de outras mídias relacionadas.

Carregando uma dose já grande de pesquisa (ajudado maciçamente pela Internet, fonte indispensável de informações), um pouco de coragem e uma interrogação gigantesca sobre a dificuldade que poderia vir pela frente, em 17 de maio de 2014 fiz uma oração breve e iniciei a construção de meu modelo em escala do Titanic; finalmente depois de 12 anos desde que criei minha primeira maquete rudimentar, me lancei à criação do modelo que é assunto desta matéria. Vinte e dois meses de trabalho inquietante se passaram, mais de 28 horas de trabalho por semana, mais de 8.000 peças criadas uma a uma em sua maioria com materiais alternativos... muitos erros inevitáveis ou intencionais, muita licença artística e alguns preciosos e emocionantes acertos.

O que você vai ver nesta matéria é o resultado de muito trabalho - diga-se muito trabalho de verdade-, e de um sonho maluco pessoal meu, que tenho na arte uma das maiores fontes de inspiração para a vida. Sou um entusiasta do Titanic, artista plástico amador, e encontrei no desafio de recriar este navio de forma vicária, uma das mais fascinantes jornadas em direção à história e arte que circunda este que é o mais famoso, infame, trágico, romântico, belo, lendário e enigmático transatlântico que se aventurou brevemente pelos mares.
.
Então te apresento:

MINHA   MAQUETE   ARTESANAL   DO   TITANIC 
Recriando o Titanic em 22 meses, por Rodrigo Piller, 29 anos, modelista amador
j
onstruir um modelo do Titanic com as próprias mãos talvez seja um dos sonhos amalucados mais comuns na grande maioria dos chamados entusiastas "Titânicos" espalhados pelo mundo. Não raro pesquisando pela Internet você vai encontrar uma quantidade considerável de fãs ou curiosos que se dedicam vorazmente o famoso navio que foi palco para o casal romântico ficcional no filme Titanic, dirigido por James Cameron.

As famosas cenas com as entusiasmadas exclamações "Eu sou o rei do mundo!" e "Eu estou voando", na atuação inesquecível de Leonardo Dicaprio e Kate Winslet, se instalaram definitivamente na memória de fãs espalhados pelo mundo e também até de quem não nutre grande simpatia por um dos filmes de maior sucesso da história da indústria cinematográfica.
.
Numa mistura que funde a tragédia verídica e um romance ficcional entre o casal principal, muita gente ainda acredita que o par romântico Rose e Jack existiu na vida real... Ainda que ambos sejam personagens fictícios, criados pela mente poderosa do diretor James Cameron.

Impulsionados na maioria das vezes pelas cenas românticas e trágicas deste filme, vira e mexe surge nas notícias ou sites de curiosidades a história de fãs que construiram modelos do Titanic utilizando algum material inusitado. De chocolate até peças em lego, de palitos de dente até esculpidos em gelo, artistas e amadores de todo canto se rendem com paixão, e um verdadeiro oceano de criatividade, a recriar o inesquecível Titanic em todos seus detalhes.

Evidentemente variando muito de qualidade, dependendo da habilidade de quem os cria, os modelos do Titanic feitos por inspirados fãs ao redor do mundo impressionam pela criatividade e pelas dimensões, existem aqueles que cabem nas pontas dos dedos até um modelo gigantesco de 21 metros de comprimento instalado no quintal de um entusiasta da Escócia, que o construiu com as próprias mãos. O que realmente impressiona é a dedicação quase religiosa depositada nestas pequenas epopeias de dedicação e paixão pelo assunto.
.

Mas é nos melhores e mais detalhados modelos do Titanic do mundo que mora a minha inspiração nesta arte de modelismo. Na lista dos mais belos e corretos modelos do Titanic já construídos estão quatro belas obras de arte e técnica, que vão desde um modelo também na escala 1:100 feito por um entusiasta como eu, até o gigantesco modelo na escala 1:20, de 13,45 metros de comprimento, construído para as gravações de efeitos especiais do filme "Titanic" (1997), dirigido por James Cameron. O nível de qualidade e detalhamento destes quatro modelos, que foram os mais utilizados como fonte de informações durante minhas pesquisas, é algo inalcançável por um modelista amador, então meu sonho sempre foi de chegar a um nível de polimento de detalhes ao menos distantemente similar ao destes quatro modelos sem igual. Visto que eu sou de fato amador neste sentido, um iniciante, pesquisar apenas nas melhores recriações é um caminho menos acidentado, pois é a qualidade e detalhamento que me inspiram. 

Ao lado, "QUARTETO FANTÁSTICO": Os quatro mais detalhados modelos do Titanic do mundo (opinião pessoal aqui). 

1. O primeiro deles, e o que mais utilizei como fonte de informações, é o super correto modelo de 5 m e 60 cm, na escala 1:48, criado pelo modelista alemão Peter Davies Garner, que levou dois anos para construí-lo, com um nível de detalhes até a presente data nunca ultrapassado por qualquer outro modelo do Titanic; apesar de extremamente detalhado, o modelo não possui iluminação interna, não possui figuras humanas e também não conta com as famosas cadeiras de descanso espalhadas ao longo do mais alto pavimento do navio. 
2. O segundo modelo, e o mais bonito de todos (apesar de não ser o mais correto deles), é o modelo gigantesco de 13,45 metros de comprimento, na escala 1:20, construído para as gravações das cenas de efeitos especiais de "Titanic" (1997), o filme dirigido por James Cameron. A maquete levou 7 meses para ficar pronta (com um batalhão de artistas trabalhando 7 dias por semana) e tem um nível de detalhes fantástico, além de ter sido propositalmente envelhecida para que parecesse mais natural debaixo dos pesados holofotes das câmeras que captaram imagens que depois foram processadas por computador e então convertidas nas vívidas cenas de efeitos especiais do filme Titanic; neste caso a maquete era plenamente iluminada e continha cadeiras de descanso espalhadas ao longo do convés de botes para completar a ilusão de realismo frente às câmeras. Num resumo, foi uma maquete criada não apenas para ser detalhada, mas para parecer verossímil frente às câmeras. 
3. O terceiro é o belo modelo de 5,6 m de comprimento, na escala 1:48, construído pela empresa especializada em miniaturas "Fine Arts Models", que consumiu sete anos para concluir a obra. Extremamente detalhado, possui iluminação interna, mas é crivado de escorregadas históricas, pois peca em assertividade em muitos de seus detalhes de design; a maquete permanece desde 2002 até hoje anunciada para venda por 2 milhões e 500 mil dólares, mas nunca foi vendida de fato. Apesar dos muitos erros é sempre publicada como a "mais perfeita maquete do Titanic".  
4. O quarto modelo é, sem dúvida, o qual mais fez parte da rotina de pesquisa durante a elaboração de minha maquete. Trata-se do modelo na escala 1:100, com 2,69 metros de comprimento (a mesma escala de minha maquete), construído pelo entusiasta britânico do Titanic Jason King, que levou dois anos e meio pra construí-lo em casa, trabalhando em média 25 horas por semana, e usando materiais menos especializados que os usados em modelos profissionais. Como o trabalho de Jason foi feito de maneira manual e tem um nível muito bom de detalhamento, seu modelo se tornou uma referência da qualidade a que eu poderia tentar me aproximar, visto que o meu trabalho também foi feito à mão e com meios similares aos dele.

Ao lado e abaixo - Apesar de estar entre os primeiros lugares da lista das maiores, mais detalhadas e tecnicamente perfeitas maquetes do Titanic já criadas até hoje, a fantástica maquete com 13,45 m de comprimento - na assombrosa escala 1:20 - construída exclusivamente para as cenas de efeitos especiais de "Titanic" (1997), também contém pequenos erros, notáveis apenas para os mais ávidos e exigentes estudiosos, entusiastas e admiradores. 
.
 .
Como um entusiasta curioso da história e legado do Titanic que sou, meu interesse pelo assunto nasceu da forma mais clichê de todas, com o filme "Titanic" (1997), dirigido por James Cameron. A enorme mídia relacionada à produção deste filme, me deixou fascinado pela a atenção fantástica aos detalhes e o incomparável trabalho de pesquisa e de arte desenvolvido para recriar os cenários e cenas desta produção, que só fui realmente assistir na TV em VHS muitos meses depois do lançamento nos cinemas. Uma vez assistido, o vírus foi instalado.
.
Ao lado: Construída especificamente apenas para as gravações do filme Titanic, a gigantesca réplica cenográfica do navio foi montada dentro de um tanque com 64 milhões de litros de água, escavado às margens da praia do Rosarito, em Baja California, México. Enquanto o verdadeiro Titanic media 269 metros de comprimento, a réplica cenográfica, obrigatoriamente encurtada como medida de economia, media ainda impressionantes 236 metros de uma ponta à outra, mas era oca por dentro, onde havia apenas estruturas de aço internas onde a "pele" externa foi afixada para a ilusão de que era de fato um navio real. O cenário gigantesco levou 100 dias para ser concluído com 500 trabalhadores. Mais de 70 % da enorme piscina à céu aberto não tinha mais que 1,2 m de profundidade, e funcionava apenas como um espelho d'água raso para completar a ilusão de realismo; apenas as áreas logo abaixo do cenário eram mais profundas, para permitir que o navio fosse afundado frente às câmeras e para que os dublês pudessem pular para a água sem que se ferissem no fundo de concreto do tanque. Logo após o fim das gravações tudo foi completamente desmontado, parte dos componentes virou sucata, enquanto milhares de outras peças se tornaram artigo de colecionadores ao redor do mundo. Um trabalho de arte, reconstrução histórica e engenharia inspirador e difícil de esquecer.

Durante doze anos desde que realizei uma feira de ciências sobre o Titanic em 2002, quando construí minha primeira maquete de 2,24 m de comprimento, sempre estive pesquisando sobre o assunto e, mesmo sem notar de fato, estive estudando o visual do Titanic com muita atenção, usando para isso os livros que foram se avolumando em minha coleção e evidentemente usando a Internet, que está crivada de rico material relacionado em centenas de sites de todos os cantos do mundo. Estudei neste tempo as mais variadas imagens e fóruns de discussão sobre o assunto, tentando entender com mais proximidade os segredos de visual do Titanic por dentro e por fora.

Devido ao fato de que o Titanic não foi largamente fotografado em detalhes pela sua curtíssima vida útil, os caminhos para tentar entendê-lo sempre e inevitavelmente passam pelas fotos de época seu navio irmão, o RMS Olympic, que construído sobre os mesmo projetos gerais que o Titanic, sempre serviu como valiosa referência para o visual de seu irmão azarado que naufragou em 1912 sem que fosse devidamente fotografado em detalhes. Com uma pesquisa que nunca parou definitivamente, eu sabia que algum dia teria tempo e coragem para tentar construir um novo modelo, muito melhorado em relação ao primeiro. Eu só não tinha ideia de quando isso aconteceria.

Abaixo: Os navios irmãos Olympic e Titanic se encontram na doca seca Thompson em Belfast, capital da Irlanda do Norte, em 02 de Março de 1912, para que sejam feitos reparos na hélice do Olympic devido à um pequeno acidente. O Titanic aqui ainda está sendo concluído, e esta não é a primeira vez que os navios se encontram, pois ambos foram construídos lado a lado e ao mesmo tempo, pelos mesmos trabalhadores e para a mesma rota de viagens entre Europa e Estados Unidos. Os gêmeos tinham a mesma altura, a mesma largura e mesmo comprimento. A diferença é que o Olympic foi concluído pouco antes, e fez sua viagem de estreia 10 meses antes do Titanic, chegando com sucesso no porto de New York, Estados Unidos em junho de 1911, destino que o Titanic jamais alcançou em abril de 1912 devido ao desastre. A construção dos dois navios lado a lado ao mesmo tempo acabou resultando que, devido às observações feitas sobre a construção pouco mais adiantada no Olympic, muitas melhorias foram aplicadas ao Titanic pela experiência de observação e testes. Apesar de serem exatamente do mesmo tamanho, o Titanic acabou se tornando então mais pesado, pesando 46 milhões de Kg, enquanto o peso do Olympic girava em torno de 45 milhões de Kg. E é exatamente devido ao peso adicional que o Titanic recebeu o título de maior navio do mundo assim que foi concluído. Enquanto o Olympic teve uma gloriosa carreira de sucesso, sobrevivendo aos perigos da 1ª Guerra Mundial, e navegando impressionantes 24 anos na rota do oceano Atlântico, até ser demolido em 1935... O Titanic naufragou em sua primeiríssima viagem em 15 de abril de 1912.
 Olympic .............................................................................. Titanic

Em 2012 estive numa exposição de objetos resgatados do Titanic que aportou na cidade de Curitiba. A exposição internacional "Titanic: Objetos Reais, Histórias Reais" trouxe para a cidade mais de 200 artefatos verídicos resgatados dos escombros do Titanic, que impressionam pela variedade e prestigioso estado de conservação.

No entanto um dos objetos que mais me impressionou nas muitas horas em que perambulei pelas alas da mostra de artefatos, foi uma enorme maquete de 2,69 m de comprimento exposta na primeira ala, uma maquete bastante detalhada e populada com dezenas de miniaturas de figuras humanas, que foi criada à mão pelo um fã alemão do Titanic Jürgen Kliewe, e que é levada ao redor do mundo como parte da mostra de artefatos. O modelo impressionante pelo tamanho e grande detalhamento, mas com um trabalho devedor em relação à assertividade histórica, foi responsável por me dar o empurrão que precisava para ir eu mesmo atrás de meu objetivo, de construir o meu próprio modelo. Ainda que com deslizes, a maquete era de fato um sonho para qualquer curioso Titânico.

Abaixo, "O EMPURRÃO FINAL": Nesta foto tirada por mim, a bela maquete na escala 1:100, com 2,69 m de comprimento, exposta na mostra de objetos reais resgatados do Titanic que esteve no Brasil entre o fim de 2011 e o começo de 2012.
.
Carregando o antigo sonho de construção de um modelo detalhado na cabeça, a pesquisa amadora feita ao longo dos 12 anos e o impulso dado pelo modelo do colega alemão que vi na exposição em Curitiba, em maio de 2014 respirei fundo e literalmente mergulhei com vontade no meu projeto de criar meu próprio modelo nas horas vagas, depois de ter reunido materiais para o trabalho durante 40 dias de compras e preparação.

Considerando que nesta fase eu não tinha qualquer garantia de que conseguira construir um modelo iluminado e completo, e detalhado em ambos os lados, decidi então criar uma maquete com apenas um dos lados plenamente detalhado, deixando o lado oposto aberto para acesso à iluminação. A complexidade de construir um modelo deste porte corretamente iluminado é grande demais para mim. Somando ao fato de que eu já sabia que minha maquete ficaria exposta em casa mesmo, e junto de uma parede, então botei abaixo qualquer possibilidade de criar um modelo pleno em ambos os lados. Decidir por esta configuração foi o que me permitiu começar a trabalhar, já que ou trabalharia desta forma, ou não faria modelo algum.

Para levar adiante meu projeto optei então por não recorrer à materiais profissionais, visto que não tenho meios e não conheço praticamente nada dos materiais profissionais para modelismo, e não quis comprar as valiosas plantas especiais para maquetes do Titanic, que vindas da Alemanha custam uma pequena fortuna. A solução então foi trabalhar com materiais que eu já conhecia desde sempre, e imprimir eu mesmo, e em casa, os fragmentos de plantas do Titanic distribuídos pela Internet. Usei também durante todo o trabalho o indispensável livro "Titanic, a Modelmakers Manual" (não publicado em português, na foto acima, junto do construtor do modelo), escrito pelo modelista alemão Peter Davies Garner, que construiu a mais detalhada maquete do Titanic do mundo, e que hoje segue exposta no museu "Titanic Museum Attraction", na cidade de Branson, Missouri, Estados Unidos. Uma verdadeira jóia do modelismo.

Meu projeto que de início acreditei piamente que não consumiria mais de 6 meses de trabalho... navegou em sentido contrário assim que comecei a me aventurar na obra e consumiu extenuantes 22 meses de uma trabalheira que teve tanto de desgastante quanto de fascinante e surpreendente, com muita pesquisa adicional durante o trajeto, muitas descobertas sobre o visual externo do Titanic, e grandes achados sobre materiais inusitados que resultam bem se trabalhados de forma adequada. E como não poderia ser diferente, de olhares desconfiados vindos de quem não entende o porque de alguém dedicar tanto tempo e esforço a algo feito por paixão e diletantismo puro e simples. Os olhares não tão simpáticos de alguns foram deixados de lado, meu objetivo era um só: Realizar este antigo sonho.

Material de pesquisa em mãos e também distribuído em dezenas de pastas no meu computador (computador que teve de ser mudado de lugar em casa para que eu pudesse consultar as fontes durante o trabalho), comecei a recriar as primeiras peças no dia 17 de maio de 2014. No primeiro dia empolgado de trabalho as primeiras peças foram, curiosamente, as duas cúpulas (clarabóias) de "vidro" sobre as duas escadarias da 1ª classe, que de início me mostraram algo: A obra iria consumir muito trabalho e concentração (clarabóias na foto acima).

Abaixo, "BARQUINHOS DE PAPEL NADA SIMPLES DE FAZER" - Nesta foto estão os únicos quatro bote salva vidas abertos da maquete, sem simulação de lona sobre o topo. Diferente dos demais 16 botes que recriei com gesso maciço, estes foram feitos com nada mais que papel, cola branca e algumas poucas peças de metal, num processo que não consumiu menos que 6 horas para cada bote. O passo a passo de recriação destes botes envolveu a elaboração de uma molde padrão que garantiu que todos tivessem as mesmas proporções e a rigidez necessária para que fossem detalhados e duráveis; até mesmo as ripas da estrutura externa foram reproduzidas. As demais peças aqui são as lonas retiradas dos botes, uma grade de proteção, os conjuntos de remos amarrados, os lemes de cada um dos botes e o velame (os botes do Titanic possuíam também velas, caso fosse necessário usar o vento na navegação ao invés dos remos).

 .
Nos meses seguintes a loucura toda foi se avolumando na forma de bancos, cabrestos, guinchos, guindastes, portas, janelas, cadeiras, botes, grades, escadas, capachos, mastros, escotilhas de carga, âncoras, e uma infinidade cada vez mais ampla de centenas de componentes que optei por criar antes de começar o trabalho na maquete em si como medida de agilizar meu trabalho nas etapas finais de montagem. Criar as peças miúdas primeiro foi a alternativa para que eu não deixasse o modelo coletando pó na etapa final para só então começar as peças miúdas, assim então fiz meu trabalho de trás para frente em favor de acelerar o processo. Da mesma forma aplicada nas peças menores, criei também todos os alojamentos entre os andares (conveses do navio) de forma avulsa e completamente independentes uns dos outros na forma de módulos, assim então quando as etapas de montagem chegassem bastava que eu colasse e interligasse as inúmeras partes.

Abaixo, "MIRÍADE DE PEÇAS": Com mais de um mês de trabalho, esta foto foi tirada da primeira leva de peças criadas para a maquete. Aqui estão parte dos botes, cabrestos, bancos, escotilhas de carga, as clarabóias das duas escadarias e demais dezenas de componentes para futuras peças inacabadas. As peças que já parecem bastante aqui, foram mais do que sextuplicadas em quantidade durante os próximos meses de trabalho contínuo.

Abaixo, "CONSTRUINDO UM QUEBRA CABEÇAS EM FRAÇÕES" - Na tentativa de facilitar e agilizar a construção da maquete, resolvi criar a maior quantidade possível de alojamentos dos andares do navio de forma avulsa, completamente independentes uns dos outros, de modo que só seriam colocados sobre o modelo na etapa final, precisando apenas terem seus circuitos instalados e definitivamente colados na posição final. Nesta foto está um dos primeiros módulos avulsos que construí, a área da ponte de comando do Titanic, que mesmo meses antes da instalação já podia ser ligado. A chaminé ainda não concluída também só foi colada em definitivo na montagem final da maquete. A régua e a moeda servem como referência de dimensão.
.
Ao lado, "EMPILHANDO CACARECOS" - Sabe aquele momento em que você precisa de muito peso concentrado em apenas um ponto e não sabe o que utilizar para conseguir a pressão necessária? Pois então... Para colar o módulo frontal da maquete, a ponte de comando, que só poderia ser colada devidamente se eu utilizasse muito peso concentrado sobre a peça, acabei empilhando uma balouçante pilha de objetos estranhos: Um copo de vidro como ponto de apoio, equilibrando perigosamente mais de 12 Kg de peso distribuídos numa lata de tinta, num ferro de passar antigo e uma marreta de 8 Kg. O peso exagerado funcionou, para minha felicidade a pilha temerária não desabou e a peça ficou perfeitamente colada no local correto.

O trabalho num modelo como estes, feito por alguém com pouca ou quase nenhuma experiência em modelismo deste gênero tem lá suas surpresas desagradáveis. Foram muitos - e tensos - os momentos em que tive de refazer do zero conjuntos completos ou pequenos componentes devido à erros, problemas com materiais ou por não estar satisfeito com o trabalho. Nesta lista de erros entram a famosa "ponte de atracagem traseira", que tive de refazer do zero absoluto logo após terminar a primeira versão porque a mesma sofria distorções devido às variações de temperatura. O famoso "teto do lounge", que é uma plataforma de passeio no convés de botes, teve que ser feito novamente com todos os complicados detalhes porque a primeira versão também sofria distorções devido às mudanças de temperatura. E na lista chorosa ainda entram várias grades feitas duas ou três vezes, os pouco mais de 50 bancos externos da maquete, que, insatisfeito com o resultado, refiz impressionantes 4 vezes (!), totalizando mais de 200 bancos ao todo, sendo apenas cerca de 50 realmente aproveitados.

Criar um conjunto de 30 janelas com padrão errado e só perceber o erro depois de concluir a trabalheira é algo que pode esfrangalhar seus nervos. Refazer tudo foi a regra, e assim foi feito. Perceber que um módulo inteiro está queimado, depois de já concluído e iluminado por dentro, sem qualquer possibilidade de ser desmontado... pode te deixar com pelo menos mais 10% de cabelos brancos...

Abaixo, "ANDARES COLADOS COMO SANDUÍCHE" - Com uma preciosa e muito útil mini retífica nas mãos vou seguindo com o trabalho na etapa de sobreposição dos andares. Nesta foto o modelo está prestes a receber o penúltimo piso como um sanduíche. A base provisória para a maquete era, como você vê nesta foto, um papelão comum, que foi "sepultado" mais tarde abaixo de várias camadas de cola, sucrilhos, papel e, por fim, resina acrílica azul.


Abaixo, "A PONTE SEM QUALIDADE" - Nesta foto está a complicada e odiada primeira versão da ponte de atracagem traseira do Titanic. A peça que parece simples, consumiu dias de pesquisa e muita observação, mas quando já pronta e a espera de ser instalada, sofreu distorções que não puderam ser corrigidas. A saída foi então eliminar a peça aproveitando apenas os componentes menores para a nova versão, que levou mais de 5 dias para ficar pronta. Lamentações e bobagens a parte, são problemas que só são descobertos com o processo. Na foto inserida está a ponte de atracagem traseira do Olympic, navio irmão do Titanic, localizada na popa, parte traseira do navio. .
Uma das boas surpresas numa manhã de domingo foi descobrir que eu conseguiria fazer miniaturas de cadeiras de convés, espreguiçadeiras, usando nada mais que linha marrom, cola branca e super bonder. Naquela manhã, ao testar se minha ideia funcionaria, não acreditei que tinha sido capaz de produzir uma cadeira com não mais de 2,3 cm de comprimento, que cabia na ponta de meu dedo. Com o teste aprovado, fiz então 175 das tais micro cadeiras para espalhar na maquete, trabalho que consumiu mais de uma semana.

Abaixo, "REPOUSANDO NA PONTA DO DEDO" - Medindo não mais que 2,3 cm de comprimento máximo, recriei em cerca de 10 dias de trabalho 175 cadeiras do tipo espreguiçadeiras para espalhar no convés mais alto da maquete, o convés de botes. No verdadeiro Titanic as tais cadeiras poderiam ser locadas pelos passageiros e posicionadas ao longo das áreas abertas do navio para repouso ou para contemplar a visão do oceano. Ao fundo da foto está um dos livros de minha coleção com a foto de uma das reais cadeiras do Titanic resgatada do local do naufrágio e ainda hoje preservada sob posse de um museu em Halifax, no Canadá. Evidentemente minha cópia não segue com perfeição as formas da versão real, mas cumpriram bem o efeito visual quando distribuídas ao longo da maquete. A simulação de vime no assento da cadeira foi feita com um micro pedaço de tecido de algodão cru.

Optei também por recriar o único carro embarcado como carga nos porões do Titanic, um belo Renault vermelho ano 1911, que teria sido embarcado no navio em 06 de abril de 1912 no porto da cidade de Southampton, Inglaterra. Minha pequena versão 1:100 do carro mede apenas 2,7 cm de altura por 4,7 cm de comprimento, e utilizei apenas materiais triviais para recriar meu modelo, que demorei apenas 2 dias para construir, usando como referência várias fotos de um autêntico Renault 1912 preservado hoje nas mãos de um colecionador.

Para minha pequena versão usei cartolina, gesso, acetato, arame de alumínio, contas de vidro,  biscuit, linha, palitos de sorvete, super bonder, cola branca, talagarça e, para criar a simulação dos faróis, utilizei duas pequenas pedras brilhantes que removi de uma bijuteria quebrada. A reprodução do Renault também não é perfeita em detalhes, mas suficiente para o contexto no qual o utilizei na maquete. 

http://oi63.tinypic.com/s4ornq.jpgAo lado, "VELOZES E FURIOSOS EM 1912" - O meu pequeno "Renault CB Coupé de Ville" 1:100 (1 para cem), que foi embarcado como parte da carga nos porões do Titanic. O verdadeiro Renault foi embarcado no Titanic em 06 de abril de 1912, quatro dias antes da partida, e alocado num dos porões frontais. O belo veículo foi comprado pelo passageiro da 1ª classe William Ernest Carter, que estava levando o possante para os Estados Unidos, e que na época era um dos mais velozes carros do mundo. O carro evidentemente se perdeu com o navio, e nem mesmo James Cameron, diretor do filme "Titanic" (1997) conseguiu localizar o carro com suas sondas com câmeras quando conseguiu adentrar os porões dos destroços do verdadeiro navio em setembro de 2001 para os gravações do documentário "Ghosts of the Abyss". Ao que se sabe hoje, o verdadeiro veículo teria sido embarcado total o semi desmontado no Titanic e selado numa caixa de proteção, mas usando licença artística optei livremente por mostrar o veículo sendo embarcado na maquete completamente montado e desprotegido sobre uma plataforma.  (***A moeda de 0,50 serve para que você tenha uma referência de tamanho do carro) 

Para minha feliz surpresa, um dos trabalhos que de início eu acreditei que seria dos mais infernais de ser colocado em prática,  acabou resultando numa das coisas mais agradáveis  durante o processo. Os famosos milhares de rebites aparentes no casco do Titanic são as verdadeiras "joias" para aqueles que recriam modelos detalhados do navio, e o modelista mais empenhado e paciente acaba encontrando o seu próprio meio de recriar a miríade de pequenos milhares de pontos que forram o visual externo do navio, que são como os relevos da escrita braile para deficientes visuais.

Seguindo padrões bem próximos aos do navio real acabei replicando entre 18 e 22 mil rebites ao longo do casco do modelo, processo que levou pouco mais de uma semana, mas que por curioso que possa parecer, é viciante (acredite), é um jogo dos pontinhos muito relaxante. A técnica que desenvolvi para os tais rebites permanece trancada num baú a sete chaves e o lancei no fundo do mar, tal e qual "Rose" faz com o colar no fim do filme "Titanic". Segredo de estado.

Abaixo, "UMA MURALHA DE REBITES": Nesta foto está o casco de minha maquete comparado a uma foto real do casco do Titanic, tirada em 11 de abril de 1912, o segundo dia de viagem, enquanto o navio esteve atracado rapidamente em sua segunda e última escala na Europa às margens da cidade de Queenstown (atual Cobh) na Irlanda. Meu trabalho foi seguir de maneira aproximada o esquema de rebites, me baseando não em fotos de época como esta, tiradas em ângulos que não revelam muita coisa, mas em projetos recriados mais recentemente.
.
Muitos meses de trabalho se seguiram desde que fiz os tais rebites no casco da maquete, e em meados de março de 2016, percebi que minha obra estava chegando ao fim, assim então acelerei os trabalhos e consegui então concluir minha pequena epopeia a tempo de relembrar os 104 anos do naufrágio do Titanic, que segue de alguma forma vivo na memória popular, e sempre tão lembrado, especialmente no eixo Estados Unidos Europa, locais diretamente relacionados ao caso, onde uma quantidade grande de descendentes de passageiros e tripulantes todos os anos ainda relembram vivamente a história de seus antepassados. Além de que estes locais concentram uma quantidade grande de entusiastas fiéis do assunto de todas as idades.

O trabalho finalíssimo em março de 2016 foi então de popular o Titanic com passageiros e tripulantes em miniatura, para oferecer a ideia de "movimento" na maquete, o que eu sempre soube que encanta quem gosta deste tipo de arte.

Ao lado, "BEM DETALHADOS, BEM CAROS": As únicas seis figuras humanas que eu comprei prontas. Muito bem detalhadas, as miniaturas vindas da Alemanha tem valor elevado demais para meu bolso. Não encontrei figuras com roupas adequadas para o ano de 1912, a maioria das figuras a venda "traja" roupas muito atuais para um navio de 104 anos.

De início meus planos eram de comprar as tais figuras humanas especiais para modelismo, mas logo descobri que para popular minha maquete com apenas 150 pessoas eu gastaria não menos de R$ 1.200,00 se comprasse as versões fabricadas no Brasil e R$ 2.000,00 se comprasse as versões importadas, valores absurdamente desproporcionais e nada compatíveis com meu mirrado bolso. Parti então para a modelagem das miniaturas de pessoas usando porcelana fria (massa de biscuit), um processo que consumiu 12 dias de trabalho, num ritmo aproximado de 20 figurinhas prontas por dia. Os 150 passageiros planejados de início viraram 227, já que percebi que seriam necessários muitos mais para preencher as cenas que imaginei para inserir alguma "vida e movimento" à maquete.

Todas as peças foram modeladas e pintadas à mão, e nesta foto está uma das primeiras levas de figuras; como a criação de "rostos" nas figuras apenas estragaria o visual das miniaturas, já que são pequenas demais para que se faça um bom trabalho, não criei qualquer traço no rosto de nenhuma delas. Recriei homens, mulheres, crianças, tanto tripulantes como passageiros. Recriei um pequeno conjunto de figuras baseadas em pessoas reais em fotos tiradas a bordo do verdadeiro navio, e que coloquei nas posições exatas onde foram fotografadas em 1912, nos poucos dias em que o Titanic efetuou sua curta e trágica viagem. Para modelar as figurinhas usei nada mais que biscuit, uma lâmina de estilete, um palito de dente, super bonder e tinta na finalização.

Conclusão
http://i818.photobucket.com/albums/zz107/rodriller/titanic_model_scratch_rodrigo_brasil.gif
 .
ara além de um naufrágio lendário, que é o fato que faz seu nome estar presente até os nossos dias, o Titanic foi um dos mais belos e fascinantes navios já criados, ele era materialização daquilo que o engenho e capacidade humana é capaz de produzir, e literalmente uma obra de arte flutuante. E que bom seria se tamanha tragédia não houvesse se abatido sobre o Titanic e seus passageiros, mas cá estamos, século XXI, e o Titanic é hoje objeto CULT, que gera de fato cultura para quem quer entendê-lo e explorar sua avassaladora e surpreendente história, escondida por detrás de uma cortina grossa de lendas e bobagens que se publicam gratuitamente online.

E se este interesse perdura até hoje, se há quem veja algo de inspirador neste legado que já se avoluma por 104 anos, cabe a quem tem curiosidade pelo assunto aproveitar de forma positiva todo este contato com a história. No meu caso a inspiração vem da grande porção de arte que ronda o Titanic, e como arte é algo que me move, não haveria melhor e mais fascinante forma de relembrar e celebrar tantos anos de interesse que realizar o maluco sonho de construir um modelo com as próprias mãos.

s vinte e dois meses de trabalho nisso que agora posso chamar, felizmente, de "sonho maluco realizado", foram uma lição de paciência, de insistência, de criatividade, de história, de design, de arte... tudo acompanhado de criatividade, de descobertas, boas e más surpresas, de curiosidade, de muito cansaço, de olhares desconfiados, de apoio de muitos que também gostam do assunto, e de tudo o mais que pode rondar algo que consuma tanto tempo e concentração. Se eventualmente eu vier a me arriscar a construir um novo modelo do Titanic num futuro mais que imprevisível, não tenho dúvida de que posso fazer um trabalho duas vezes melhor do que eu fiz, pois as infinitas falhas são todas oportunidades para que se faça algo melhor, mais completo, mais correto e mais refinado.
 .
Meu trabalho é amador evidentemente, mas de agora em diante está aqui postado em minha casa, pode ser visto por quem por aqui passa e quem quer que queira saber um pouco mais sobre o mais famoso navio de todos os tempos, basta tirar alguns poucos minutos e me perguntar:

Como começou seu interesse pelo Titanic e como foi fazer esta maquete?
Não tenha dúvida, eu terei o prazer de contar um pouco mais, e acredite, tem muita história por detrás de cada uma das centenas de janelas deste pequeno e suado Titanic que eu sonhei e transformei em realidade.

o que tudo indica, a história do Titanic seguirá sempre viva de uma forma ou de outra como objeto CULT durante muito tempo ainda, as novas gerações nunca deixarão de descobrir e se intrigar com a trajetória insólita do grande e romântico transatlântico, que carregado de luxo, e guiado pela imprudência e arrogância de uma época, acabou sepultando consigo as visão de progresso inabalável do começo do século XX. À parte de uma infeliz tragédia, o Titanic se tornou também o exemplo de uma época em que as criações humanas eram erigidas não apenas para serem funcionais, elas carregavam também uma saudosa beleza etérea que, aos nossos olhos atuais, deixavam a vida de nossos antepassados mais interessante, com uma poesia raramente encontrada nas rígidas formas que fingem decorar o progresso cheio de quinas sem graça de nossos dias.

Abaixo, "ONDE A JORNADA TEVE INÍCIO": Se movimentando lentamente, puxado por pequenos barcos rebocadores, o verdadeiro Titanic desatraca do porto da cidade de Southampton, Inglaterra, numa quarta feira cinzenta da primavera europeia, por volta das 12:15 de 10 de abril de 1912. O maior objeto móvel já criado pelo homem, o maior navio de todos os tempos até aquela data, partia em sua primeira, única e não concluída viagem em direção aos Estados Unidos, carregado das esperanças de 2.200 pessoas. OU
Fotos da construção
 .
Abaixo, "ENCONTRO JURÁSSICO" - Altas horas da noite, barulhos vindos do meio dos meus materiais de trabalho... você vai checar com algum receio, e a oportunidade de fotografar um encontro curioso acontece: Um enorme Besouro Rinoceronte, que foi habilmente convencido por mim a posar de modelo de apresentação junto ao meu pequeno Renault em miniatura. Difícil mesmo foi fazer o inseto pré histórico ficar quieto frente às lentes, hehehe 

Abaixo, "UM RENAULT IRMÃO DO RENAULT EMBARCADO NO TITANIC": Meu pequeno Renault em minha mão, que nesta foto por ilusão parece muito maior que seus meros 4,7 cm de comprimento apenas. Na foto inseria está o renault real de época que me serviu de base para criar minha pequena reprodução em miniatura. 

Abaixo, "APARELHAGEM QUE CABE AO REDOR DE UMA MOEDA" - Seguindo a mesma ideia de recriar a maior quantidade de componentes individuais antes mesmo do começo da criação da maquete como um todo, aqui estão os equipamentos da ponte de comando do Titanic. As peças são simples, pouco detalhadas, mas seguem de maneira geral os verdadeiros equipamentos do navio, todas feitas usando como base fotos de época e recriações em computação gráfica. As micro peças ficaram estocadas muitos meses antes de serem utilizadas de fato. Não se conhece qualquer foto do interior da ponte de comando do Titanic, e na foto inserida está a ponte do Olympic, navio irmão do Titanic, com os mesmos aparatos de navegação reproduzidos por mim, incluindo o leme.

Abaixo, "PORTAL PARA O LUXO" - Se você fosse um passageiro da 1ª classe do Titanic, certamente o primeiríssimo interior do navio que você vislumbraria ao entrar no navio seria este saguão. No Titanic real haviam dois saguões de embarque como este situados em ambos os lados do navio no convés D, e foi por aqui que grande parte dos passageiros entrou no navio vindos das pranchas de embarque no porto da cidade de Southampton, Inglaterra. Em "Titanic" (1997), o filme de James Cameron, é exatamente por aqui que embarca a famosa "Rose" nas cenas iniciais do filme. Minha miniatura mede não mais que 3 cm de altura apenas e eu incluí tantas informações históricas quanto foi possível, com a liberdade de incluir no saguão vasos com folhagens, uma "sofá de vime" e dois carpetes coloridos. Nos demais aspectos minha reprodução segue de maneira aproximada o visual do ambiente. Criei o saguão em miniatura muitos meses antes do início da própria construção da maquete, e só instalei a miniatura dentro do modelo nas etapas finais da obra. Para ampliar o ambiente e oferecer alguma sensação de continuidade, imprimi um panorama em computação gráfica da "paisagem" que vai além da porta ao fundo, e que representa uma fração da área dos elevadores do Titanic; deste modo para quem olha este pequeno saguão através das portas abertas da maquete, tem a sensação de que o ambiente se prolonga.


Abaixo, "MUITO MATERIAL E CANSAÇO" - Tirada num dia de real estafa, a foto abaixo ilustra bem o quanto o trabalho consumiu de concentração e energia. Depois de 8, 10, 12 horas de trabalho concentradíssimo (e até 14 horas em alguns dias), é impossível não se sentir completamente exausto. Evidentemente não trabalhei sempre em jornadas tão longas.
.
Abaixo, "UM MALUCO SOZINHO NÃO FAZ VERÃO" - Vindos de terras distantes (bem distantes diga-se de passagem), os amigos Rhauy e Pedro, vieram conferir a obra em agosto de 2015. Chegaram pouco antes do começo da perfuração das janelas circulares no casco do navio e confirmaram uma suspeita... de que eu realmente não bato muito bem da cabeça.... Amizade e apoio muito bem vindos.
Abaixo, "GARFO É FERRAMENTA?" - Pouco antes do início do trabalho com a perfuração das quase 500 janelas circulares ao longo do casco do modelo tirei esta foto com um garfo apenas como referência de dimensão. As demarcações situam os pontos de perfuração. O casco aqui foi feito com papel cartão simples colado em camadas.

Abaixo, "CERVEJA PARA TODO MUNDO!" - Deixando claro que eu não bebo cerveja ou qualquer bebida alcoólica, tirei esta foto logo após a perfuração das centenas de janelas no casco do modelo, onde enfileirei 21 latinhas de cerveja para demonstrar o comprimento da maquete. Como todos sabem o tamanho de uma latinha, a coisa toda fica muito fácil de entender... Esta foto foi tirada logo após a perfuração das 492 (!) janelas circulares ao longo do casco do navio, processo que consumiu cerca de três dias.


Abaixo, "SANGUE SUOR E LÁGRIMAS" - Nada mais natural na rotina de quem se aventura a lidar com ferramentas de corte do que ter ao menos alguns encontros nada agradáveis entre seus dedos e as lâminas afiadas de um estilete. Dada a rotina de 22 meses portando um estilete quase todos os dias, foram poucas as vezes que deixei pequenos bifes misturados às peças de minha maquete. Entre a habilidade duvidosa e um corte que precisa ser muito reto... acidentes acontecem. Super bonder aplicado aos dedos, nas roupas - e até mesmo na boca - também é acidente comum para quem faz um trabalho deste tipo.
.
Abaixo, "ENCONTRE O TITANIC" - Uma das poucas vezes que me arrisquei a fotografar a confusão dantesca de minha oficina improvisada na área de serviço de minha casa. Numa foto onde meu material aparece em relativa organização, o modelo segue sendo finalizado logo após a pintura do casco. Boa parte de meu trabalho foi feita em uma desordem bastante complexa, onde eu apenas conseguia me encontrar... Em cima da bancada está um dos livros que mais utilizei como fonte de informações.

Ao lado e abaixo, "O NOME DO TITANIC" - Em alguns casos coisas muitos simples demoram meses para serem pensadas. Para criar os famosos letreiros com o nome do Titanic que foram pintados diretamente sobre o paredão de aço do verdadeiro navio, pensei em inúmeras formas de solução. Comparado a um grão de feijão, criei os meus letreiros com nada mais que cartolina pintada de amarelo, onde as letras foram cortadas uma a uma à mão com um estilete à mão livre, sem pré desenho. Como para mim é absolutamente impossível recriar a letra "C" com um estilete, optei então por cortá-la usando um pequeno tubo de aço, que fazia parte de uma antena de rádio comum. No verdadeiro Titanic os letreiros não foram aplicados no casco, mas pintados diretamente sobre as chapas em letras escavadas no metal.  

Abaixo: O letreiro já aplicado ao modelo, e na foto inserida o mesmo ponto do verdadeiro Titanic fotografado em 11 de abril de 1912 enquanto esteve atracado em sua segunda e última escala na Europa, às margens da cidade de Queenstown, atual Cobh.
.
Abaixo, "É UM LEME CORTADO AO MEIO, MAS CONTINUA SENDO UM LEME..." - Devido ao fato de que optei por construir o meu modelo de modo parcial, ou seja, apenas da linha d'água para cima, tudo aquilo que estaria abaixo da linha d'água da maquete não precisou ser construído. Deste modo então eu recriei o leme parcialmente, apenas do meio para cima. No navio real a peça media 24 de altura total e pesava 101 toneladas. Na foto de época inserida está o leme do Olympic, navio gêmeo do Titanic, antes de ser instalado definitivamente no navio. O sujeito na foto serve como referência de dimensão. 
.
Abaixo, "O TITANIC NAVEGA EM UM OCEANO DE SUCRILHOS (?)" - Copiando uma curiosa ideia de um modelista profissional estrangeiro, resolvi colar sucrilhos sem açúcar na base do tablado ao redor da maquete, para depois simular as ondas do oceano sobre os flocos. O que funciona perfeitamente para meu colega estrangeiro, para mim não surtiu grande efeito porque a resina vertida sobre a ondulação simulada com sucrilhos  acabou ocultando todo o trabalho. Ainda assim gastei pouco mais de 1 quilo de flocos. O divertimento aqui ficou por conta da cara de estranheza impagável da vendedora da casa de produtos naturais quando eu contei para que eu usaria a quantidade grande de sucrilhos que estava comprando... Tenho certeza de que ela ainda acha que eu estava sob efeitos de alguma droga. Na foto inserida está a proa do Olympic, navio irmão do Titanic, em 20 de outubro de 1910, dia em que seu casco foi lançado pela primeira vez à água.

Abaixo, "CONTRATANDO UM AUXILIAR PARA RECRIAR O OCEANO" - Chega o dia de fazer a forma ao redor do tablado da maquete e literalmente despejar a resina acrílica azul transparente para simular o oceano. O processo relativamente simples é impossível de ser realizado sozinho, visto que a resina solidifica muito rapidamente sem que haja tempo hábil de ser devidamente trabalhada numa área tão extensa; a ajuda veio de meu pai para "agitar" a resina e simular as ondas do mar usando uma  ferramenta improvisada feita com caixa de leite longa vida. O efeito exageradamente azul nesta foto seria "amortizado" mais adiante com a criação da espuma branca deixada pelo rastro do navio. Utilizei cerca de 7 litros de resina para simular a água que rodeia meu modelo.


Abaixo, "EU ESTOU VOANDO, JACK! / EU SOU O REI DO MUNDO!" - A mais icônica área do Titanic aparece aqui nesta foto, o local de encontro do casal romântico do cinema "Rose e Jack" ainda em processo de finalização. 

Abaixo, "UM PÔR DO SOL DE 3,5 METROS DE COMPRIMENTO" - Para proteger meu modelo resolvi criar uma vitrine com o céu como plano de fundo para deixar tudo mais interessante.  Para pintar o céu usei apenas fotos como referência, ainda que eu tenha abandonado as fotos e pintado livremente. Nunca pintei um céu deste tipo e nem algo tão grande assim, e o resultado poderia ter sido bem pior... ainda que longe de realista, o visual ficou muito bonito e casou perfeitamente com o modelo. A bancada de ferro aqui é trabalho de meu pai, que criou e soldou com as dimensões adequadas. Da mesma forma que a maquete, a caixa foi montada por mim, feita de MDF e uma boa quantidade cola e de pregos. A realidade é que as cenas do filme "Titanic" (1997), onde o navio segue navegando em direção ao pôr do sol, me plantaram a ideia de que isso daria certo também para meu modelo. A ilustração inserida é obra do artista Simon Fisher, que retrata o Titanic navegando em direção ao pôr do sol, pintura na qual também me baseei para criar a minha versão do céu ao entardecer.

Abaixo, "ILUMINANDO O TITANIC COM GAMBIARRAS QUE FUNCIONAM" - Iluminada ao todo com quase 1.000 micro lâmpadas de natal do tipo "arroz" e externamente iluminada com lâmpadas de LED, a solução foi criar um pequeno painel de distribuição para a maquete. Usei então um baú de MDF (revestido com plástico contact que simula madeira para casar com o visual do restante da caixa) e várias tomadas, plugues e interruptores comuns afixados à lateral dianteira da vitrine. Dividido em seis circuitos, o modelo pode ser aceso de formas diferentes e ordens diferentes.
 
Abaixo, "TROCANDO O TITANIC POR UM DISCO VOADOR" - Nesta foto a primeira leva de figuras humanas que modelei para a maquete, todos ainda bastante esquisitos e sem a menor graça, as figurinhas ganharam alguma personalidade depois do processo de pintura, onde eu incluí simulações de gravatas, calças, sapatos e demais detalhes bem simplificados. Para as mulheres, além da pintura com simulação de vestidos, o trabalho adicional foi colocar chapéus grandes em quase todas elas, moda muito em voga em 1912, quando as elegantes damas dificilmente sairiam ao ar livre ou tomariam um chá sem ostentar chapéus exagerados.
Galeria
.k k
j
j
k
k
l m 
Curiosidades
  •  A maquete não foi construída em "full time", visto que a construí apenas nas horas vagas e fins de semana, ainda assim trabalhei em torno de 28 horas por semana em média durante 22 meses.
  •  Ao optar por não comprar os projetos específicos para a construção de maquete, acabei utilizando fragmentos de projetos do Titanic criados por vários especialistas  diferentes, e isso acabou gerando muitos problemas e discrepâncias de informações, o que me obrigou a adaptar estas divergências ou optar pela versão mais adequada em minha opinião.
  • A representação de ferrugem ao longo da área negra do casco do Titanic foi uma decisão pessoal, criticada por alguns, muito elogiada por outros. Representar este grau de ferrugem no casco do navio garantiu que a maquete parecesse 3 vezes mais interessante e real nas fotos e vídeos, ainda que o verdadeiro Titanic certamente tivesse uma quantidade muito menor de ferrugem, considerando que era um navio novo em sua primeira viagem.
  • Devido a atenção concentrada nos detalhes do verdadeiro navio, durante a construção da maquete acabei descobrindo dezenas de detalhes nunca antes notados (por mim e também por modelistas profissionais), e então incorporei estas informações ao meu trabalho, muitas delas totalmente inexistentes nos mais conhecidos modelos do Titanic.
  • De início recriei as cortinas nas dezenas de janelas retangulares laterais da maquete acompanhando informações históricas sobre as cores das cabines do navio, mas ao perceber que com a variação enorme de cores tudo acabou ficando com cara de "carro alegórico", deixei as informações sobre as cores de lado e recriei as cortinas com cores mais suaves a meu modo.
  • Apesar de muito detalhada, a maquete passa longe da perfeição, e contém uma quantidade considerável de falhas históricas, seja por falta de habilidade, de atenção, falta de fontes de informação ou por simples escolhas pessoais e licença criativa.
  • Todos os interiores da maquete que são visíveis foram feitos de acordo com fotos de época do verdadeiro Titanic ou, em alguns casos, tomando como base em recriações em computação gráfica. Para os interiores onde não se conhecem fotos ou recriações, utilizei então apenas as plantas baixas do navio, seguindo informações generalizadas e usando a criatividade para recriar o visual decorativo do local.
  • O verdadeiro Titanic possuía 20 botes salva-vidas, no entanto meu modelo só possui 19 deles, visto que aproveitei a quebra acidental de um de meus botes para deixar seu lugar vazio, simulando desta maneira que o do bote já teria partido da maquete. O bote ausente da maquete (e que eu quebrei acidentalmente) é o de número 12, que na vida real partiu do Titanic carregando 30 pessoas a bordo as 1:30 da madrugada de 15 de abril de 1912, cinquenta minutos antes do naufrágio final. 
  • Mais da metade das centenas de fotos do começo da construção do modelo se perderam com problemas no meu computador pessoal.
  • Durante a construção mantive um relatório diário de todo o processo, que igualmente foi perdido devido a problemas no computador, restando apenas os primeiros meses de anotações detalhadas.
  • As duas cúpulas (domos, clarabóias) das duas escadarias são feitas com uma embalagem plástica redonda de um borrifador.
  • Para fazer a simulação de tubulação abaixo da sacada do convés A da maquete eu usei hastes de aço retiradas de um guarda chuva velho.
  • Para construir o modelo consultei constantemente as fotos e vídeos de um conjunto de 4 maquetes criadas por terceiros, consideradas as melhores maquetes do Titanic já construídas no mundo.
  • Boa parte das fontes de pesquisa para a elaboração do modelo veio da Internet, mas um conjunto de mais de 80 mil fotos e vídeos arquivados em HD foi constantemente consultado para tirar dúvidas sobre o visual do Titanic.
  • Foram gastas mais de 300 folhas de sulfite apenas para a impressão dos fragmentos de projetos de referência para a construção da maquete.
  • De maneira não planejada, a finalização de minha maquete aconteceu junto do aniversário de 104 anos de término da construção do verdadeiro Titanic, que foi concluído em 02 de abril de 1912.
  • Devido a insatisfação com a coloração aplicada nas chaminés, foi preciso aplicar mais de 15 demãos de tinta em cada uma delas, até que a cor final fosse alcançada.
  • A caixa de MDF onde está o modelo também foi integralmente planejada e montada por mim, e o plano de fundo com o céu pintado tem cantos internos curvos, para evitar uma quebra de continuidade na paisagem de fundo.
  • Usei 7 litros de resina acrílica azul para recriar o oceano.
  • Foram utilizados mais de 45 metros de fio elétrico para ligar os circuitos da maquete.
  • O modelo levou 1 ano e 10 meses para ficar pronto, o verdadeiro Titanic consumiu três anos de obras.
  • Caso ocorra falha na iluminação interna da maquete será impossível fazer reparos, visto que os módulos não são desmontáveis.
  • Devido ao fato de que eu não tenho experiência suficiente para construir uma maquete 100% completa do navio e iluminada, optei por construí-la na configuração de "navegando", e o lado oposto do modelo não foi plenamente detalhado, visto que a maquete ficará permanentemente exposta apenas dentro da vitrine.
  • Boa parte dos modelos profissionais deste gênero é feito com a utilização de estireno, um plástico especial para modelismo, mas optei por trabalhar exclusivamente com variados tipos de papel por já conhecer muito bem as particularidades do material e por ser muito mais barato.
  • A estrutura interna da maquete foi feita com papelão comum, apesar de conter dezenas de reforços feitos com palito de sorvete.
  • Os dois mastros são feitos com barras de ferro roliço revestidas com papel que imita placas de aço sobrepostas.
  • Apesar de seguir fotos de época e informações sobre o visual do verdadeiro Titanic, algumas peças foram feitas com base nos cenários do filme "Titanic" (1997), como os porões de carga, onde o esquema de cobertura de lonas é uma cópia fiel da versão exibida no filme.
  • Cada uma das dezenas de "respiradouros" na maquete (peças brancas com formato similar a de um cachimbo) foi feita com projetos individuais exclusivos para cada um.
Em memória aos 104 anos do naufrágio do Titanic - 15 de abril de 1912 - 15 de abril de 2016

Livros utilizados como valiosa base de informações
RMS Titanic: A Modelmaker's Manual
Titanic the Ship Magnificent Vol I e II
Titanic in Photographs
RMS OLYMPIC (Brian Hawley)
Titanic An Illustrated History
Exploring the Deep: The Titanic Expeditions
Ken Marschall's Art of the Titanic
Por Dentro do Titanic - Um Livro com Ilustrações Gigantes
James Cameron's Titanic (Ed W. Marsh, Douglas Kirkland)
Titanic: O Naufrágio (Leo Marriot)
Liners: The Golden Age
Titanic Commutator
Filmes e documentários consultados
"Titanic" (1997)
Ghosts of the Abyss (2003)
Lost Worlds- Building the Titanic (2007) 

Websites consultados
titanic-model.com / titanichg.com / encyclopedia-titanica.org / titanic-cad-plans.com / fineartmodels.com / modelshipwrights.kitmaker.net / vintagemotorcarsusa.com / cyark.com / nmni.com / http://titanic-walk.perso.sfr.fr / moddb.com/mods / mafia-titanic-mod / titanicmodell.de / britmodeller.com

Modelos criados por terceiros que serviram como valiosa inspiração e fonte de informações 
  • Maquete do Titanic na escala 1:48, com 5,6 m de comprimento, construída pelo modelista alemão Peter Davies Garner
  • Maquete do Titanic na escala 1:20, com 13,45 m de comprimento, construída para as cenas de efeitos especiais de "Titanic" (1997)
  • Maquete do Titanic na escala 1:48, com 5,6 m de comprimento, construída pela empresa Fine Arts Models
  • Maquete do Titanic na escala 1:100, com 2,69 m de comprimento, construída pela modelista britânico Jason King
  • Maquete do Titanic na escala 1:144, com 1,86 m de comprimento, construída pelo modelista Morten Jensen.
  • Maquete do Titanic na escala 1:100, com 2,69 m de comprimento, construída pelo modelista alemão Jürgen Kliewe 
  • Maquete do Titanic na escala 1:400, com 67 cm de comprimento, construída pelo modelista Chris Flodberg
Agradecimentos

À DEUS em primeiro plano, que em sua sabedoria e benevolência nos permite realizar todos os nossos sonhos no decorrer de nossas vidas, por mais simplórios que possam ser estes sonhos.

Aos meus pais, Darcilio e Zelia, pelo apoio, pela paciência, pela contribuição com o trabalho (e por tolerar toda a confusão dantesca em parte de nossa casa durante tantos meses). Ao meu pai por criar a estrutura interna dos mastros do navio, criar inúmeras ferramentas de ferro a meu pedido, por buscar e transportar tantos materiais para a maquete, por construir e me presentear com a bancada de ferro onde hoje o modelo está assentado, por me presentear o vidro que protege o modelo e por tantas coisas que não cabem numa lista simples. À minha mãe, por tecer em crochê uma das redes que envolve uma das miniaturas de caixa de carga que hoje fazem parte da maquete, e por costurar ela própria e bela cortina que arremata a bancada do modelo. Obrigado nunca será palavra suficiente ou adequada para meus pais.

Agradecimentos especiais aos colegas de inspiração e arte que, divulgando seus trabalhos e fotos particulares na Internet, se tornam sem saber verdadeiras e valiosas fontes de informações disponíveis gratuitamente para quem se aventura nesta arte de modelismo, seguem os nomes: Jonathan Smit, Cyril Codus, Peter Davies Garner, Parks Stephenson, David Cotgreave, Dominik Tezyk, Bruce Beveridge, Art Brawnshweiger, Frank Giacobbe, Ken Marschall, Art Braunschweiger, Bob Read, Mike Brady e Clément d'Esparbès. 

Agradeço o apoio que recebi de dezenas de pessoas ao longo de meu trabalho, especialmente no grupo do Facebook "Sociedade Histórica Brasileira do Titanic", que me enviaram mensagens de apoio e entusiasmo ao longo destes quase dois anos. E aos colegas de todos as partes do mundo reunidos no grupo do Facebook "The White Star Liners: Olympic Titanic & Britannic", que igualmente me apoiaram de maneira inesquecível com suas mensagens enquanto postei fotos do andamento de meu projeto. Especialmente, neste último grupo, aos que me responderam gentilmente as poucas dúvidas históricas relacionadas ao visual do Titanic, que me garantiram maior agilidade na pesquisa.

Agradecimento especial aos colegas de trabalho pelo apoio durante o trajeto, a todos aqueles que viram na minha loucura diária e nos meus comentários do dia a dia, que eu realmente estive empenhado neste projeto.

Ao amigo de conversa diária Victor Vila, fiel entusiasta do Titanic, cujos talentos variados e entusiasmo pela história, foram temas de infinitos bate papos durante meses a fio enquanto trabalhei em meu modelo. O apoio de quem interesse em comum é precioso durante um trabalho tão extenso como este. À Luiz Henrique, colega Titânico, que sugeriu o envelhecimento com "ferrugem" no casco da maquete, e que resultou numa das mais interessantes escolhas que fiz para o modelo. E a todos os demais amigos que me enviaram suas ideias e sugestões no decorrer dos 22 meses de trabalho.

Crédito: Pesquisa, composição e edição de texto e imagens, Rodrigo, Titanic em Foco

34 comentários:

Jose. A disse...

104 ANOS - TITANIC

JOSE. A - EXPERT VISUAL DO S.S. TITANIC.

Um ano mais.

Minha homenagem ao melhor Transatlantico que existiu no planeta Terra. O S.S. TITANIC.

TITANIC FOREVER AND EVER. TITANIC O MAIOR TRIUNFO NÁUTICO DA HUMANIDADE.

Eu sou uma pessoa extremamente sensível. Eu estou muito, muito, muito ligado ao Titanic. Até o meu último segundo da minha vida. E eu estava caindo algumas lágrimas, sempre que eu pensar profundamente sobre o Titanic, me causa profunda dor e tristeza, ele não merecia esse destino cruel.

Jose. “Vocês todos foram parte de uma tragédia e uma história que agitou a eternidade”.

IM MEMORIAM

Minha dor e respeito por todos os animais, crianças, mulheres, e homens que morreram no Titanic na noite de 14-15 abril 1912.

Palabras do Cientista - Roy Cullimore. Durante uma expedição ao Titanic no ano 1996 - 97.

(Roy Cullimore).

“Muitas pessoas morreram no Titanic tragicamente...
Eu não acho que devemos usar a tragédia. Mais do que para aprender dela. Para que não volte a acontecer novamente. Eo Titanic ele mantém a sua beleza, como se estivéssemos dizendo...
Não me evitando, aprendam comigo, não evitar as tragédias, aprender com elas”.

(Roy Cullimore).

“E eu vi o navio enquanto surgiu e eu pensei...
aqui está uma dama em cinza, uma senhora elegante. Uma rainha das profundezas, uma dama triste, uma dama silenciosa. Estas dormindo?. Podemos aprender com a sua dor?. Ensina-nos a compreender ea nós se preocupar...
Para que nunca volte acontecer. Que uma dama em cinza, uma senhora elegante...
Mergulhe, contra a sua vontade, nas águas”.

TITANIC PER SEMPRE POR SEMPRE JAMAIS SEMPRE PERDIDO PARA SEMPRE LEMBRADO.

Abraço eterno a todos.

Meus comentários sobre esta matéria em breve.

Saudações a todos. Obrigado.
Jose Aurelio
Da Europa.

Alencar Silva disse...

Belíssimo trabalho meu amigo. Como sempre você se superando.

=)

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Obrigado Alencar, você acompanhou um pouco da loucura nisso tudo, hehe, grande abraço ;)

lucas palma alves disse...

Parabéns Rodrigo!! Ficou d+ seu trabalho!!!

Jose. A disse...

Oi Rodrigo.

Olá a todos.

Primeiro de tudo eu quero agradecer a todas as pessoas que têm desfrutado dos meus comentários neste blog. Apenas os indivíduos inteligentes compreenderam minhas palavras. Eu não sei se alguém queria uma mia resposta. Me desculpe se eu não responder, eu sinceramente não olhar para essas coisas. Muito obrigado.

Eu Como uma pessoa acima do resto, especial e extremamente inteligente... Eu sou uma pessoa solitária e misteriosa, mas eu desfrutei deste blog, tem sido o meu refúgio, a minha alegria, meu abraço quente, minha liberdade, às vezes minha inspiração, e uma experiência emocional muito positiva. Obrigado por me deixar falar com liberdade. Agradeço por todo esse tempo e o destino que me trouxe aqui neste blog. Meu farol na tempestade.

Agora, os próximos anos eu vou estar trabalhando no meu modelo de 75 cm de comprimento, e um ultradetallado plano do Titanic com mais de 10 anos de minhas pesquisas. Duas coisas que estarão na extratoesfera. Um sonho que eu tenho desde criança em 1998. E com a vontade de Deus espero conseguir alcançar. Ou pelo menos eu vou morrer na tentativa.

Eu não sou pai, não tenho filhos, (muita solidão) Mas eu posso imaginar o que um bom pai e mãe quer a seus filhos. Se esse filho ou filha sofre, os pais sofrem mais. Bem algo semelhante acontece comigo cuando a maldade, a ignorância, a inveja ea estupidez atirar contra o Titanic. Eu sofro muito.

Recentemente eu estava andando em torno da Internet, e como sempre sobre o Titanic, e muitas outras coisas que fizeram história... Eles São crucificadas em um conciliábulo, de deficientes mentais, ultraidiotas, loucos, inveja, confusão, mentiras, deturpações e muito mais. Tudo em um misturador enorme de confusão, escuridão e trevas, que é o que está acontecendo no mundo de hoje. Honestamente meu relacionamento com internet no futuro vai ser nulo, porque sempre que eu vejo internet, eu quero me matar. Enquanto o mundo.

Portanto Titanic em foco ainda com os seus erros. Muito Obrigado.

Para muitas pessoas o Titanic é um jogo, já que não há nenhuma lealdade, ou qualquer outro valor, no mundo infernal atual. Eles jogam com o Titanic alguns anos ou algum tempo, e a outra coisa borboleta. Eles não amam o Titanic. Muitos chamam infame ao Titanic, mas os verdadeiros (infames), são aqueles que chamam infame ao Titanic. Você entende querido público? isso mesmo. A mim o Titanic, como no meio de troca de tiros, me escolheu, me atingiu, e ele me abraçou e disse querido Jose, venha para aqui, você será sempre leal a mim, você realmente me ama, você me respeita, você nunca vai me trair, nunca me vai abandonar. Pegue minha mão e desfrutar juntos até o fim, até a morte. Eu, obviamente, não hesite, e eu estou orgulhoso de ser um dos poucos bons seres “humanos” que existem no planeta Terra.

Existem alguns sites de internet do Brasil, onde eu acho que existem pessoas capazes de amar verdadeiramente e para sempre o Titanic em sua vida. Isso me faz feliz. E o meu apoio para que isso aconteça.

Querido Rodrigo.

Espero que mesmo se você olhar para outras experiências e emoções em sua vida, e ir para outras fases da sua vida. O Titanic deixe uma marca na sua alma, impossível de apagar. Com certeza.

Jose. A disse...

Como você pode sentir o Titanic?...

Em busca de nossas emoções diárias todos os dias. O nosso modo de viver.
Neste caso, para mim, o Titanic. Há muitas maneiras.

A música, os filmes, as fotografias, a arte, as pesquisas e nossos trabalhos, os videogames, (por exemplo, eu gosto de um jogo muito o Ship simulator, é também uma maneira de sentir o Titanic), os livros, e uma das mais importantes para mim, os modelos. Todas essas coisas são uma maneira de experimentar e desfrutar do Titanic todos os dias, e alimentar a nossa imaginação sem limites.

Não há dia da minha vida, em que eu não trabalhar com a imaginação, eu amo isso, não podia viver sem ela.

Uma coisa que nós tendemos a esquecer. É a maneira de ver as coisas.

Eu entendo o Titanic como poucas pessoas no mundo. É importante dizer que, quando superexpertos como eu, e nossos olhos olhar para o Titanic, acreditamos que o público também vê-lo assim, mas não é. O público não sabe realmente o que você o experto está vendo, não entende-lo no contexto. São diferentes prismas.

Não haverá nenhum navio como o Titanic, nunca no planeta terra. Vendo esta matéria rodrigo e as coisas que você diz, do tempo restante para o Titanic. Eu concordo com você plenamente. Você sabe o que eu pensava em 2012?. Provavelmente este é o fim do Titanic, até aqui chegou. Mas você sabe também o que eu pensava?. Nenhum navio na história do planeta terra, vai conseguir o que alcançou o deus eterno do mar o S. S. TITANIC. O que trouxe para o mundo, para a ciência, para a cultura, para a arte, para o amor, para a imaginação, para a ficção, e para todas as pessoas, homens, mulheres e crianças, que este misterioso navio tocou com a sua mão. Que outra coisa da história conseguiu atingir isso por tanto tempo?. Nada, nada, nada, apenas o Titanic mágico.

Nenhum navio vai chegar ao pé mesmo do Titanic, ninguém, ninguém, ninguém.

O Titanic deixou um legado maior do que todos os oceanos do planeta terra juntos. Hoje e para sempre existem ainda muitos mistérios que nunca serão descobertos. O principal, porque esta tragédia aconteceu?.

Na matéria. Eu gosto Rodrigo quando você faz uma metáfora do disco voador, Você sabe por quê?. Porque eles foram vistos no ataque de 11 de Setembro. E eu estou absolutamente convencido de que os extraterrestres estão nos observando de sempre. E eu me pergunto, será que eles estavam presentes no naufrágio do Titanic? que foi um dos eventos da humanidade. Bem, só Deus sabe.

Eu pessoalmente, realmente gosto de construir os modelos, e as coisas simples da vida, lá é o lugar onde a verdadeira felicidade encontrase. O mundo está escondido em máscaras que são uma infâmia. E apenas quando chegam a doença ou a morte, as pessoas percebem as verdadeiras e importantes coisas na vida.

Algo que o Titanic mostrou-nos muito bem.

Jose. A disse...

A beleza intemporal do Titanic. Merece um capítulo à parte.

O que podemos dizer sobre a beleza do Titanic?.
É difícil colocar em palavras. Ela se parece muito com o amor, você não pode colocar em palavras, o amor. Sua beleza é igualado apenas pela do universo.

Mas a única coisa que eu posso dizer é que, com o passar do tempo, o Titanic é melhor, é mais lindo, é mais lindo, é mais lindo, é mais sofisticado, é mais inatingível.

A força titânica do Titanic.

O TITANIC ele nunca se rende, ele nunca se rende, ele nunca desiste.
Nestes tempos de loucura total dos dias atuais, nas crises mentais atuais que casi todas as pessoas do mundo estão sofrendo. E a inércia das novas tecnologias. As mais incríveis notícias são esquecidas no dia seguinte. Então eu me pergunto como o Titanic ainda está vivo?. Como ele faz?. É um dos seus muitos mistérios, que o Titanic nunca vai revelar.

A mensagem do Titanic para a humanidade.

Mudança climática.
O ser humano sempre foi um demônio supremo, hoje mais do que nunca claro. Fala-se de bases na lua para a próxima década. Por quê?. Porque cada vez estamos mais e estamos destruindo o planeta, eo que a mim mais dor me causar os seres que nele habitam. Eu não mudaria um único animal do planeta, para todos os seres “humanos” do planeta juntos. Para mim, os humanos todos podem ir para o inferno juntos. Se não houvesse animais no planeta, eu daria um tiro na cabeça no momento. Para mim eles são a verdadeira perda, não o lixo humano. Mas a verdade é que o planeta já grita de dor, e dentro de uns poucos anos as pessoas vão se matar por um pedaço de pão. O planeta vai entrar em colapso em poucos anos, ea espécie humana será destruída. Aqui onde eu moro já estamos começando a ver as consequências das alterações climáticas, eu também recentemente estava vendo em um canal de televisão brasileira, as recentes tragédias climáticas no Brasil. Por exemplo, a perda da Amazônia brasileira trará profundas conseqüências para o Brasil e para todo o planeta.

Bem meus amigos, ai está a mensagem do Titanic.
O Titanic nos diz: “Eu avisei”.

Jose. A disse...

A matéria.

Rodrigo com esta matéria você me mostrou sua cultura imensa, sua imensa criatividade, as palavras que você disse... que eu não achei que você sabe delas lá no Brasil, você mostrar um monte de cultura. Esta se tornou em uma das matérias mais bem fluidas do blog. Quando eu olho para você eu me vejo a mim mesmo. Estamos muito similar em muitos aspectos.

Eu entendo como poucos no mundo o que significa fazer um bom modelo, é uma incrível viagem física e psicológica, cheia de riscos, desafios a serem superados, de desgaste físico e psicológico. Coisas durante a construção com as quais tem que se contentar, as coisas que são bem feitas, as coisas que dão errado. Mas quando você olha para trás, boas lembranças e emoções regressar. São coisas que o tempo apaga.

E agora eu tenho esses sentimentos com o meu modelo que eu vou começar em breve, eu tinha esquecido as coisas, pero vão voltar para a minha alma agora novamente.

Muitas coisas da matéria são muito engraçadas e curiosas. Impressionante, ou besouro rinoceronte, é incrível a vida selvagem no Brasil. Eu alguns anos atrás e agora também em breve novamente com o meu novo modelo. Eu vou estar trabalhando dia e noite, eu também às vezes eu estou até dela final da manhã trabalhando.

Com respeito aos animais a bordo do Titanic, não houve apenas cães, também se especula, pássaros, gatos, e certamente ratos, já que uma delas apareceu em terceira classe para estupor dos passageiros .

Uma coisa muito interessante no modelo são as figuras, sem elas o modelo não teria nenhuma alma.

Bem Rodrigo agora você se tornou em tudo um super expert visual do Titanic.
Rodrigo estou muito surpreso, eu sinceramente não esperava que você iria a fazer um trabalho tão incrível. Os meus sinceros parabéns.

Eu também perdi parte da minha vida por meu eterno amor ao Titanic.

Jose. A disse...

O modelo

Eu segui-o desde o início da construção deste modelo, quanto tempo na espera do final, se eternizou. Finalmente aqui esta.

É importante dizer que nunca haverá um modelo absolutamente perfeito do Titanic. Porque? pois porque há muitas áreas e cores do Titanic, que nunca foram fotografadas, e especula-se ou se pensa que era de certa forma, mas certamente nunca será conhecido, será para sempre um mistério.

Este modelo, ultrapassou de longe, de longe, de longe, tudas, tudas, tudas, as minhas expectativas. Ele é extraordinário, sublime, grandioso, maravilhoso. E acima de tudo muito, muito, muito, muito belíssimo. Olhar para este modelo é mais delicioso do que o melhor pastel da melhor loja de pastelaria du mundo.

As figuras diminutas em suas representações históricas, inacreditável.
O Capitão Smith - o foguista na 4 chaminé - o casal na 4 chaminé - a manutenção de pintura na 3 chaminé - a criança da familía odell no teto du salão do convés - a limpeza do convés dos botes - e tudos mais - Jack e Rose - e você mesmo Já é grande.

Uma coisa em seu modelo inexistente em qualquer outro grande modelo do Titanic, que para mim e demais, é o trinco, segurando a janela da ponte de comando, atrás do capitão Smith. Bem rodrigo.

Coisas erradas.

Você tinha que colocar um cabo adicional acima da (T) Antena do Titanic, para fixar a fumaça. Não há problema. No telhado do gran salão de primeira classe, no lado de estibordo, onde você colocou o casal com a mulher com vestido con cor violeta. Bem, agora sabemos, esse canto tinha uma forma arredondada, e nenhum canto. Mas não há problema. Falta uma luz do convés que você não pode colocar por espaço limitado no canto esquerdo atrás da chaminé número 2. Mas não há problema. A plaqueta de condensação atrás da ponte ainda se discutem se há ou não, mas um pouco mais estreita, tivese sido melhor. Mas não há problema. A estrutura da escada, da ponte de ancoragem de popa foi completa-se sob as escadas. Não houve vazios. Mas não há problema. A Corrosão excessiva no casco. E algumas pequenas coisas mais estão erradas. Mas calma, são ninharias.

O modelo é prodigioso, graças Rodrigo eu vou apreciá-lo por muito tempo.
Se fosse minha, eu ficaria por horas olhando para ela toda a minha vida.

Eu gostei da licença artística da criança no balanço.
Também eu gostaria de ter visto os mastros da sinalização de popa desdobrados. E o mastro provisório da proa para os portos. Mas essa é a sua escolha e claro.

Algumas das coisas poderiam ter sido feitas melhor?. Sim. Mas não importa, porque o modelo já tocar o céu.

Eu não posso expressar com palavras Rodrigo meus mais sinceros parabéns, um dos melhores e mais belos modelos do mundo. A desfrutar!!!!!!!.

Abraço eterno a todos.
Foi um prazer.
TITANIC EM FOCO para sempre em meu coração.
Eu te amo, mais do que você pode imaginar.

Saudações a todos. Obrigado.
Jose Aurelio.
Da Europa.

Eliabe Muniz disse...

Olá amigo, faz um tempão que entro aqui no "Titanic Em Foco", pois sou muito fã desse navio e aprecio muito as suas postagens muito detalhistas e ricas em informações. Quero agradecer pela sua dedicação e dizer que é muito bom ter um espaço como este para me divertir de vez em quando, e sobre a maquete, cara fiquei impressionado com a sua criatividade e persistência, sou muito fã do navio e da história, mas não teria essa disposição como vc teve, parabéns!!! Realmente ficou maravilhoso, eu adoraria ter um desses em casa hehehehe!!! e só por curiosidade, se vc fosse vender, por quanto vc venderia? É só curiosidade ta? hehehehe!!! Um forte abraço amigo, e não desista do "Titanic Em Foco" pois é o site em português com mais informações que ja vi e o mais legal de todos, e mais uma vez parabéns pelo belíssimo trabalho, não só da maquete, mas de todo o site, DEUS te abençoe!!!

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Oi Lucas, obrigado pelo apoio. ;)

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Olá Jose,

Agradeço seus comentários e a simpatia ao meu trabalho com a maquete.
Foram meses de uma aventura ao redor da história e visual do Titanic que eu não vou esquecer, eu aprendi coisas demais em todos os sentidos, e este conhecimento pode vir a ser usado numa nova tentativa. Eu não sei se eu vou tentar algo assim novamente, mas seja como for, há muito que pode ser aprimorado, receber maior polimento, e maior cuidado com assertividade e mais detalhes.

Na maquete eu fui até onde minha habilidade e fontes limitadas me permitiram ir, e usei tanta licença artística quanto achei que deveria usar para tornar o trabalho mais vívido, mais vibrante para quem vê-lo. Eu estou muito feliz com o que acabou se tornando, mas vejo cada uma das centenas de erros como boas oportunidades para fazer algo melhor.

Esta foi a maior, mais penosa, encantadora, reveladora, cansativa, empolgante experiência de trabalho manual a que já me propus. O que eu imaginei que levaria não mais que seis meses, se transformou em 22 meses, e não me arrependo de nem um minuto de trabalho, tudo valeu a pena, ainda que o resultado seja limitado.

Apesar do texto desta matéria ser grande demais, um exagero, isso aqui não é nem 10 % do que eu teria para contar, então relatei aquilo que acredito que superficialmente retrata meu trabalho.

Agora eu só preciso descansar e, quem sabe, um dia juntar tudo aquilo que eu aprendi e mais experiência para fazer algo melhor, seja sobre o Titanic mesmo ou qualquer outro trabalho.

Sonhos, por mais descabidos que sejam, precisam ser colocados em prática. A vida é uma só.

Abraço amigo, agradeço sua simpatia ao meu trabalho.

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Oi Eliabe,

eu agradeço muito o apoio ao blog, isso me faz mantê-lo no ar e levar adiante, mesmo que lentamente. O propósito de estar no ar é que o conteúdo sirva de alguma maneira, seja para entreter, informar, compartilhar interesse em comum, ser contestado, gerar interesse... não fosse por isso não valeria de nada manter o blog.

E obrigado pelo apoio ao trabalho com a maquete, ver meu trabalho sendo bem visto é o que dá sentido ao que eu fiz. Como eu nunca pensei em venda, não tenho como sequer avaliar. O que eu sei de fato é quanto gastei e o quanto trabalhei, tudo além disso foge de meu entendimento. Só há duas formas para cogitar um possível valor... que ele fosse avaliado por alguém que entende do assunto, ou que alguém me oferecesse um valor sem que eu falasse nada. Só assim daria para pensar em algo.

Se um dia eu tentar isso novamente posso fazer pensando em valores, mas este modelo morou nos meus pensamentos durante anos, e ver ele materializado depois de um trabalho tão suado é algo que não cabe em cifras. O que eu aprendi pode ser aprimorado e muito, mas isso é o tempo quem diz. Não tenho planos.

Muito obrigado, e tenho certeza de que o blog vai seguir no ar, a história tem seu lado positivo, e a arte é o lado mais positivo de tudo isso. E é pelo caminho da arte que meu interesse chegou até o Titanic, e este interesse ainda gera muita inspiração.

Grande abraço

Fillipe Azevedo disse...

Trabalho incrível! Admito que só dei uma visão geral, pois estou meio sem tempo. Quando tiver a oportunidade de ler na íntegra já o farei! Mas ainda assim parabéns! Esse modelo está incrível, e justamente pelo fato de ser muito artístico ele causa uma interatividade que outros modelos jamais causariam, seja pelas pessoas ou pelos cenários internos também retratados. Além de ser um trabalho muito bem feito, tem nessa "interatividade" seu diferencial, que me surpreendeu positivamente! Parabéns Rodrigo!

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Opa, obrigado pelo apoio Filipe,

eu admiro demais os modelos profissionais irretocáveis feitos do exterior, não há meio de chegar ao grau de polimento de nenhum dos melhores, pelo menos não para mim. Mas na lista dos quatro melhores modelos que eu conheço, em todos falta a conexão do espectador com o trabalho de arte... um modelo técnico perfeito gera admiração pelo detalhamento, mas não "conecta" as pessoas porque não há um elo mais direto. Tive a sorte de optar por um modelo assim, e acabou resultando bem, considerando as muitas limitações do trabalho.

Um dia eu tento novamente, mas é o tempo que vai dizer, hehe. Abraço, apoio muito bem vindo.

Artur Rodrigues disse...

Bom dia Rodrigo, eu sou um entusiasta e fã do Titanic, mas não chego aos seus pés. (kkkk) Eu já tentei construir inúmeras vezes esse navio que faz minha mente sonhar, bem detalhado, mais nunca consegui. Ao vê-lo em seu blog, eu me emociono ao ver seu esforço e compreendo todo seu trabalho. Assim como você, desenhei milhões de vezes, procurei vários livros, vi muitos sites sobre ele, e comprei o DVD original, onde assisti mais vezes que consigo contar. Eu tenho uma maquete que veio de Belfast do Titanic, mas ela é muito pequena, que um amigo me trouxe do museu do Titanic da irlanda. Assim, que eu li essa reportagem, pois seu site é o meu preferido e o melhor que eu vi nesse gênero, te pergunto: Você abre sua casa como museu do Titanic?, Se sim, eu gostaria de ver de perto. Sim moro longe em Olinda, Pernambuco, mas eu acho que vale a pena visitar o Paraná, só para ir ver uma obre de Arte como esta.

Rodorigo, Titanc em Foco disse...

Oi Arthur, boa noite,

você nem imagina o quanto este apoio é importante. Saber que minha arte amadora é bem recebida pelos colegas que gostam do assunto é para mim um presente e um incentivo enorme para que eu esteja sempre tentando fazer algo mais polido.

Quando se tem carinho pelo assunto, e isso serve de inspiração, não importa qual é a dimensão de nada: da coleção de livros, de DVD's, do tamanho do modelo em cima da estante... A inspiração que o Titanic é capaz de gerar, como objeto de arte que é, é uma das coisas mais legais e proveitosas para nós entusiastas.

Criar a maquete foi uma aventura de modelismo, de arte, de história, de design, e de tudo mais que isso está cercado. Para mim o Titanic não é uma tragédia, não é um filme, não é um monte de livros empilhados. Ele se tornou com o tempo um objeto de arte, fonte de inspiração para criar o que andei criando como amador. Muito mais que aprender sobre o visual do Titanic, eu pude aplicar nestes 22 meses de muito trabalho suado o pouco que eu sabia e as toneladas de coisas que eu não sabia sobre materiais e sobre técnicas. E tudo ficou arquivado na memória, e vai me servir sempre em muitos trabalhos que eu porventura venha a fazer.

Se eu pudesse eu não hesitaria de criar um espaço fixo dedicado ao Titanic em minha cidade, para deixar exposto um pouco desta arte simples que eu crio e da história do Titanic, mas neste momento não há como. Como as coisas ainda estão se desenrolando pode ser que surja uma exposição em breve, e se isso acontecer deixo divulgado aqui no blog.

Bom, até logo, agradeço novamente pelo apoio e pelas palavras de simpatia a mim e ao meu "trabalho"... que no fim das contas nada tem de trabalho, porque o que eu fiz é produto de sonho e de diletantismo apenas.

Priscila disse...

Olá Rodrigo, Como vai?
Parabéns pelo seu trabalho, ficou muito lindo.
Você saberia o nome deste documentário: https://www.youtube.com/watch?v=nA9h_Prz0sI ??
Ele passou no Discovery a muito tempo e infelizmente nao consegui assistir inteiro ou pegar o nome.
Obrigada!

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Oi Priscila,

eu estou bem, e enfim começando a descansar um pouco depois da trabalheira no modelo. O documentário é "Drain the Titanic - National Geographic Channel".

Agradeço o apoio ao meu trabalho, até mais.

Lucas Guimaraes disse...

parabéns pelo seu trabalho sou um grande admirador do seu blog desde 2012 e você vem se superando cada vez mais. você e um grande artista e ficou belíssimo esse modelo seu do titanic seu blog me serve de inspiração para tentar fazer miniatura de alguns salões do titanic continue assim mesmo com toda essa dedicação que você tem quanto ao titanic e queria te fazer uma pergunta e sobre o HMHS Britannic me corrija se eu estiver errado quando o Britannic foi requisitado como navio hospital na primeira guerra mundial seus itens de decorações foram retirados e armazenados certo?o Britannic afundou o que teria acontecido com esses itens de decoração que não estavam junto com o navio o que aconteceu com eles ??? foram vendidos ??

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Oi Lucas,

obrigado pelo apoio ao meu trabalho com o blog e a maquete, se o conteúdo que eu publico tiver alguma utilidade, para mim está ótimo. Faça arte mesmo, pois a inspiração que pode vir da beleza do Titanic é um dos legados mais fascinantes deixados por este navio que entrou para a história e permanece até hoje tão presente na cultura. O Titanic pertenceu a um tempo em que as coisas eram feitas não só para funcionarem, elas tinham beleza e arte de verdade.

Bom, sobre o Britannic sei apenas que nem tudo estava pronto nos interiores, e que do que estava de fato pronto, nem tudo foi removido, apenas uma parte, que eu não sei determinar quanto. Da decoração que foi removida, e também aquela que sequer estava a bordo, uma quantidade indeterminada foi reutilizada em outros navios enquanto outras partes foram leiloadas e foram parar em propriedades privadas. Lembro de ter lido inclusive parte do catálogo de um dos leilões da época.

Lembro também de um hotel inglês que tinha parte dos painéis esculpidos da Sala de Fumantes do Britannic (não o mesmo hotel com partes do lounge Olympic) e de um outro navio da época que havia recebido mobiliário, piso, lustres e painéis vindos também do Britannic... mas não lembro o nome do navio, mas havia inclusive foto dos interiores reaproveitados.

Baseado no que andei vendo através dos anos, eu palpito que tem muita coisa esquecida nas mãos de proprietários privados que sequer imaginam real proveniência destas peças, enquanto outros itens esporadicamente "pipocam" por aí, em leilões e nas mãos de organizações que lidam com antiguidades náuticas. Já vi painéis de cabines, uma penteadeira, partes do apainelamento do salão de jantar no convés D, molduras do contorno do teto da escadaria... sempre fragmentos.

O órgão de tubos que seria instalado aos pés da grande escadaria dianteira do Britannic foi encontrado a alguns anos na Suécia, o que indica que a escadaria como um todo certamente não estava pronta como já se imaginava antes desta descoberta.
Aqui está órgão e sua história

http://www.bundesmuseen.ch/musikautomaten/britannic_orgel/index.html?lang=en

Eu devo uma matéria sobre o Britannic faz muito tempo, e se eu vier a editar vou fazer algo que seja bem informativo, tenho muitas fontes, então basta trabalhar firme para trazer algo bom. Pode demorar, mas quero fazer porque só publico por prazer de publicar, e editar sobre vai me fazer saber e lembrar de muita coisa sobre as quais tenho curiosidade. Neste momento quero apenas descansar, pois foram mais de 22 meses de pauleira no trabalho exaustivo, que consumiu muito de minha disposição, apesar de ter sido um prazer.

Se eu reencontrar a foto do navio que recebeu peças do Britannic ainda posto por aqui para você, mas aí depende de que eu encontre em meio aos meus arquivos.

Até mais.

Anônimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=rs9w5bgtJC8&spfreload=10

Alvaro disse...

Meu caro e admirável Rodrigo, após tantos meses sem consultar o seu blog, me deparo com este tributo tão formidável de sua parte ao navio que segue nos encantando. Para mim, foi impossível não ser tomado de emoção ao assistir a reportagem e perceber quão intenso é seu amor, refletido em cada mínimo aspecto desta obra tão artisticamente reproduzida. Minhas mais profundas congratulações pelo trabalho que você tem desenvolvido de maneira tão dedicada, mormente por esta maquete, muito obrigado por proporcionar a nós, admiradores do Titanic, oportunidades como esta, de, em alguma medida, podermos embarcar neste navio magnífico. Um abraço

Anônimo disse...

Olá,Rodrigo. me chamo George. primeiramente parabéns pela maquete, ficou demais. gostaria de saber se você poderia me passar uma foto desse desenho em cartolina(ou papel 40) da planta do TITANIC( que aparece na foto 'andares colados como sanduiche). apenas para eu desenhar um igual. pode ser pelo facebook, ou qualquer outra rede social. desde já, agradeço. abraço!

Rodrigo, Titanic em Foco disse...

Oi Alvaro, obrigado pelo apoio ao meu trabalho e pelas palavras,

eu tentei reunir neste modelo aquilo que mais me fascina, a arte de criar, com toda esta jornada de interesse e curiosidade sobre o Titanic que já dura tantos anos. Fazer o modelo foi um meio de celebrar este tempo de pesquisa, onde que tentei entender o Titanic de maneira mais aproximada. Colocar figuras humanas em cenas espalhadas sobre a maquete acabou se tornando "a alma" do meu trabalho, e faz com que as pessoas se esqueçam da tragédia, pois estão vendo cenas do cotidiano do navio representadas com arte, com trabalho artesanal. Fica agora a vontade de que em algum momento da minha vida eu possa aplicar o que eu aprendi neste modelo para criar algo mais polido, mais correto, mais completo. Mas pelo menos por enquanto estou feliz em ver que o que eu fiz foi bem recebido por muita gente.

É uma união de curiosidade, de insistência, de paciência, de arte, de história... e que no fim das contas serve para contar um pouco mais sobre este navio tão bonito que foi o Titanic, e deixar as pessoas saberem um pouco mais sobre esta jornada que o Titanic faz pela cultura popular há mais de 104 anos.

Novamente grato pelo apoio, isto é muito importante.
Abraço.

Rodrigo, Titanc em Foco disse...

Oi George,

agradeço o apoio.
a ilustração na foto é esta, durante a construção da maquete eu utilizei ela para referência de alguns raros aspectos do navio.

http://orig12.deviantart.net/2712/f/2012/104/b/d/rms_titanic_waterline_final__by_alotef-d4w6s43.png

ana cacilda vasconcelos disse...

Rodrigo. Hj assisti a reportagem da RPC. Estou encantada com a arte que tens nos proporcionado. Parabéns... Teus pais tem razão de ter muito orgulho de ti. Já não sou jovem mas eu sou muito curiosa e aprecio artes e artistas. Admirável a parceria com tua família. Gostaria de saber da oficina do teu pai e serei grata se me indicares. Parabéns... Ana Cacilda.

Rodrigo, Titanc em Foco disse...

Oi Ana, agradeço o apoio.

Eu não posso divulgar endereços e nem números por aqui, mas deixe seu e-mail que te informo o número de meu pai. Meu pai trabalha com serralheria comum, portões, grades, janelas e demais trabalhos em ferro generalizados.

O meu e-mail é rodrigo.piller@bol.com.br

Até mais.

Wesley Daltro disse...

Olá Rodrigo, magnífico trabalho! Fiquei encantado com tamanho detalhe que sua replica carrega. É de certeza uma das mais bem feitas, toda a composição do cenário é fantástica. Fica evidente o quanto de tempo, amor e criatividade você dedicou à esse trabalho. O que chama bastante atenção também é todo cenário em pleno movimento, muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo, momentos reais sendo representados etc. E não poderia deixar de comentar o humor incluso no trabalho, Jack e Rose sendo barrados na proa hahaha! Uma das delícias desse trabalho eu sei que foi decidir os materiais alternativos a serem utilizados, construir estruturas excepcionais a partir de materiais simples é muito legal. Novamente parabéns pelo trabalho, valeu muito a pena toda a dedicação e todos os acidentes com o estilete, hehe! Aproveitando, você já assistiu à simulação gráfica do naufrágio em tempo real feita pelos desenvolvedores do futuro game "Titanic: Honor and Glory"?

Rodrigo, Titanc em Focoi disse...

Oi Wesley, agradeço demais as palavras de apoio ao meu trabalho, isso é muito importante. Eu realmente tentei devolver um pouco da "vida" ao Titanic, fazer com que se possa entender uma fração das rotinas do navio e de parte de sua história, deixando um pouco de lado este peso do desastre para contar como o Titanic era de fato um navio bonito e fascinante, cheio de detalhes curiosos para serem descobertos.

Pesquisar mais a fundo o visual do navio foi uma viagem fascinante pra mim, eu comemorei muito cada nova descoberta de detalhes e de materiais que eu poderia utilizar, e foram incontáveis estes momentos. Não tem como ser diferente quando você está colocando seu coração no que está fazendo, nunca foi trabalho, é prazer, mesmo com todas as incontáveis dificuldades e limitações. Um lição de história, de persistência, de criatividade de "jeitinho brasileiro" também... pois o que não se pode fazer com pouco dinheiro, se resolve com trabalho, muito trabalho.

É um trabalho que já marcou minha vida e certamente eu um dia vou retornar para fazer um modelo melhor para ser exposto definitivamente em algum lugar onde possa recontar a história por si só. Estes quase dois anos de trabalho foram uma verdadeira lição, então seria uma lástima deixar o que eu aprendi apenas na memória. E como a vida não para e meu desejo de criar também não, hehe, já estou entrando em uma nova arte titânica, mas desta vez é algo especial e que se tudo se encaminhar bem será pra venda. Por enquanto empolgado em voltar a trabalhar com o que me encanta.

Eu vi a simulação e gostei muito da idéia e do trabalho que eles fizeram. A parte principal das emoções vivas da história fica de lado como não há pessoas no modelo, mas o vídeo traz a tona muitos detalhes que passam despercebidos nos filmes, e apenas o fato de ser em tempo real já é algo de grande valor. O trabalho deles já é fantástico agora, eu só posso imaginar que quando o game for lançado de fato daqui a alguns anos estaremos com um verdadeiro "livro aberto virtual" da única e não terminada viagem do Titanic.

E vamos em frente, relembrando este navio tão belo que foi o Titanic e que hoje é parte do imaginário popular e da cultura, ele é de fato um ícone, no bom sentido e no sentido infeliz também. Mas pelo menos pra mim o Titanic deixou de ser tragédia faz muito tempo, ele é um objeto de arte, de boa arte, que inspira e faz sonhar com um tempo onde as coisas eram mais interessante e mais poéticas do que as de hoje aparentam ser...

Leonardo disse...

Meus sinceros parabéns pelo trabalho Rodrigo, seu modelo ficou ótimo, uma ''obra prima'' que você criou com muito esforço e dedicação, seu modelo ficou a altura dos modelos mais detalhados feito por profissionais do mundo inteiro. Cada detalhe está maravilhoso, bem feito, bem cuidado, tudo está perfeito, a perfeição do modelo está rico em detalhes, parabéns Rodrigo, seu modelo está lindo.

Rodrigo, Titanc em Foco disse...

Obrigado pelo apoio Leonardo. Um dia retorno a fazer algo mais "polido", mas feliz em receber esta simpatia ao meu trabalho que ainda é amador. Até.

Wesley Daltro disse...

Parabéns pela entrevista na Fátimaaa! Quando passaram as fotos da sua réplica do navio no começo do programa eu as reconheci logo! Até falei em alto e bom tom "TITANIC EM FOCO!", kkk. Assisti o programa até o fim! Uma obra como esta merece mesmo chegar ao olhar de muita gente. Super interessante, parabéns!

Davi Lima disse...

Oi Rodrigo, eu tenho um site http://pordentrodotitanic.blogspot.com/, e a página no face: https://www.facebook.com/Por-Dentro-do-Titanic-922241007880655/ que eu te convidei a curtir, me enviar, por favor, o desenho do Titanic (pode ser pelo face), Davi Lima (já sou seu amigo no face), eu desenho fica horrivel, pode enviar?