oncontextmenu='return false'>expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 7 de janeiro de 2012

Mais de cinco mil objetos do Titanic vão a leilão

SEJA BEM VINDO AO TITANIC EM FOCO

O ano de 2012 marcará o centenário do naufrágio do Titanic, e junto das muitas cerimônias memoriais aguarda-se um grande movimento de mídia que vai desde o lançamento de livros, séries de TV, documentários, abertura de museus e o relançamento do megassucesso Titanic, dirigido por James Cameron em 1997.
Junto destes eventos também acontecerá um grande leilão de artefatos autênticos recuperados dos escombros do navio, mais de cinco mil objetos encontrados no fundo do oceano, entre louças, documentos, roupas e também peças do mais célebre navio de todos os tempos, serão leiloados no dia 11 de abril em Nova Iorque, anunciou a leiloeira Guernsey's.

ACOMPANHE







Trata-se de "preservar a História" para as gerações futuras, declarou Arlen Ettinger, presidente da casa de leilões, durante uma conferência de imprensa, destacando "o fascínio" que a história do Titanic continua a exercer, inclusivamente nas crianças, como é o caso do seu filho, de 12 anos.

O vendedor é a empresa que detém os direitos de resgatar objetos no Titanic, a Premier Exhibitions, do ramo museológico, por intermédio da sua subsidiária RMS Titanic. Os objetos, que não foram identificados no protocolo, serão postos à venda pela casa de leilões Guernsey's, de Nova York.

Todas as peças, entre elas um pedaço do casco que pesa 17 toneladas, foram encontradas no fundo do oceano. Foram precisas oito expedições realizadas em 25 anos pelo RMS Titanic no sul da Terra Nova (Canadá), no local onde repousavam os destroços, a 3.800 metros de profundidade.

A "BIG PIECE" (Grande Peça) do Titanic. Clique na imagem e assista ao resgate.

(acima) 10 de agosto de 1998, a empresa RMS Titanic INC. resgata uma peça de 17 toneladas do casco do Titanic. (Foto: RMS Titanic / AP)

A mesma peça após passar pelo processo de preservação, note que era precisamente por esta porção que percorria a longa faixa em amarelo-cromo que embelezava o navio, separando a porção negra do casco da estrutura superior, pintada de branco. A colorização da foto foi feita por meio digital, apenas para fins informativos, a peça não foi repintada na realidade. A aparência "rasgada" do aço é uma gritante testemunha das violentas forças que causaram a ruptura do navio.



Esta porção do casco integrava a área onde o navio se quebrou ao meio, entre as cabines C-79 e C-81 da 1ª classe (ao lado, destaque em verde). A "Grande Peça" era localizada na área onde o navio se quebrou ao meio, ela foi um dos muitos fragmentos do casco que se soltaram e se misturaram à uma incontável quantidade de outros destroços e objetos pessoais caídos do navio.

O valor da coleção foi calculado em 147 milhões de euros em 2007, com alguns direitos associados. Os objetos serão apresentados num único lote, devido a uma decisão judicial que impede a sua venda em separado, ou seja, absolutamente todas as peças serão vendidas juntas, elas não podem ser vendidas uma a uma, e isto faz com que todos os objetos continuem a ser preservads e protegidos juntos, como determina a decisão judicial.

Algumas peças da baixela de valor diferenciado, segundo a classe dos passageiros, algumas impressas com o nome "White Star Line", a companhia marítima do navio, o colete de um viajante, botões de punho em ouro ou ainda um par de binóculos perfeitamente conservado, foram apresentados durante uma conferência de imprensa.

Todos contam a história da luxuosa cidade flutuante que era o Titanic, naufragado há cem anos, na noite de 14 para 15 de abril de 1912, após ter chocado com um iceberg durante a sua viagem inaugural de Southampton (Inglaterra) a Nova Iorque.

No total, 2.200 pessoas de 40 nacionalidades estavam a bordo, cheias de "sonhos e de esperanças", e cerca de 1.500 morreram no naufrágio. "Foi um dos acontecimentos mais significativos do século XX", referiu Alexandra Klingelhofer, responsável pela coleção.

Alguns dos 5,5 mil objetos do Titanic que serão leiloados, resgatados em sete expedições ao fundo do Atlântico Norte, entre 1987 e 2004 (Foto: RMS Titanic / AP)

Crédito

Pesquisa e redivulgação - Rodrigo, TITANIC EM FOCO

7 comentários:

Victor Laurant (Tirano) disse...

Eu sou totalmente contra. Deveriam era construir um museu só para estas peças, asism ficariam presevradas e expostas, e todos poderiam ve-las.

Luciano Spears disse...

Concordo com o Victor

Thompson Almeida disse...

Poxa como o dinheiro se tornou a maior ambicao do ser humano, concordo com os colegas acima, deveriam e manter tudo o que retiraram do titanic em uma exposicao e nada de leiloar.

jhowlera disse...

isso é um absurdo, essas peças deveriam ficar expostas em um museu.

Jamille Klein disse...

gostei muito mais so que podiam fazer um museu ne,o as idéias de hoje cada dia mais mais malucas e abirsudas podiam fazer um para guardar pra sempre pra ajente se lembrar

Diego Silva disse...

Realmente um museu seria o mais adequado de preservar essas relíquias, para que assim as futuras gerações possam saber que um dia existiu um grande navio como o Titanic, sobre como ele afundou e das vidas que foram ceifadas naquela madrugada fria de 15 de abril de 1912.
Mas, infelizmente, a ganância por dinheiro do ser humano não conhece limites.

Anônimo disse...

eu gostaria que ficasse tudo la em memoria daqueles que morreram masi o dinheiro fala mais alto