oncontextmenu='return false'>expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 31 de março de 2011

Edward John Smith, o Capitão do RMS Titanic

Seja bem vindo ao TITANIC EM FOCO

Das 2.200 pessoas à bordo do RMS Titanic na viagem inaugural, que terminou de modo trágico em 15 de abril de 1912, uma das mais lembradas, referidas, retratadas, discutidas e polemizadas é Edward John Smith, o Capitão do malfadado navio. Nesta matéria descubra quem foi este homem, da vida pessoal à trágica morte no naufrágio.

BOA LEITURA

Vida pessoal

O capitão Edward John Smith (27 de janeiro de 1850 - 15 de Abril 1912) foi um oficial inglês da Reserva da Marinha, e capitão de navios. Ele foi o oficial no comando do RMS Titanic e morreu quando o navio afundou em 15 de abril de 1912.

Sarah Smith e Hellen, esposa e filha de Edward John Smith. Hellen nasceu em 1898, ela tinha 14 anos de idade quando o pai morreu na tragédia.

Edward John Smith nasceu em Hanley, Stoke-on-Trent, Inglaterra, filho de Edward Smith, um oleiro, e Catarina Marsh, que se casaram em 02 de agosto de 1841 em Shelton, Staffordshire. Seus pais mais tarde tornaram-se donos de uma loja. Smith participou da "Etruria British School" até a idade de 13 anos quando ele foi a Liverpool para começar uma carreira marítima.

Ele iniciou seu aprendizado no Senator Weber, propriedade de Gibson & Co., em Liverpool. Em 12 de julho de 1887, casou-se com Sarah Eleanor Pennington. Sua filha, Helen Melville Smith, nasceu em Waterloo, Liverpool, em 1898. A família vivia em uma imponente casa de tijolos vermelhos em Winn Road, Highfield , Southampton.

A casa onde viveu o Capitão do Titanic, na cidade de Liverpool, Inglaterra. Na pequena placa circular afixada à parede frontal lê-se: O Capitão do Titanic, Edward John Smith viveu aqui: 1898 - 1907 / Nascido em 27 janeiro de 1850, falescido em 15 de abril de 1912.

Início da Carreira

RMS Celtic, o início da carreira de Edward John Smith na White Star Line, como 4º Oficial.

Smith se juntou a White Star Line em março de 1880 como quarto oficial do RMS Celtic. Ele serviu a bordo de navios da empresa entre a Austrália e Nova York, onde subiu rapidamente de cargo.

Em 1887, Smith recebeu seu primeiro comando na White Star, o Republic. Em 1888, Smith recebeu o “Extra Master's Certificate” e se juntou
ao Royal Naval Reserve - o que lhe deu direito de acrescentar ao seu nome o "RNR" - qualificando-o como tenente.

Isso significava que, em tempos de guerra, Smith poderia ser chamado para servir na Marinha Real. Mais tarde, como comandante na Royal Naval Reserve, Smith recebeu a distinção Blue Ensign da RNR; navios mercantes britânicos geralmente usavam a bandeira vermelha.




RMS Republic, o reconhecimento à Edward John Smith, seu primeiro trabalho como comandante.
Comandos maiores


Smith esteve no Majestic como capitão durante nove anos com início em 1895. Quando a Guerra dos Boers começou em 1899, Smith e o Majestic foram chamados para o transporte de tropas para a Cape Colony.

RMS Majestic, 9 anos sob comando de Edward John Smith.

Duas viagens foram feitas para a África do Sul, ambas sem incidentes, e para o seu serviço, o rei Eduard VII concedeu a Smith a “Transport Medal” em 1903. Smith foi considerado como um "capitão seguro".




Como subiu na hierarquia, Smith ganhou a reputação entre os passageiros e tripulantes de ser altamente tranquilo. Alguns passageiros só navegavam no Atlântico em um navio comandado por ele. Ele ficou conhecido como o "Capitão dos Milionários ", porque a alta sociedade inglesa optava por navios onde ele estivesse no comando. De 1904 em diante, Smith comandou os novos navios nas suas viagens inaugurais. Em 1904, foi lhe dado o comando do maior navio do mundo, no momento, o Baltic da White Star Line.

RMS Baltic, sob comando de Smith de 1904 a 1907.



Sua viagem inaugural de Liverpool a Nova York, saiu em 29 de junho de 1904, e ocorreu sem incidentes. Depois de três anos com o Baltic, Smith recebeu seu segundo "novo navio”, o Adriatic. Mais uma vez, a viagem inaugural foi sem incidentes.

RMS Adriatic, esteve sob comando de Edward John Smith na viagem inaugural em 1907.

Durante seu comando do Adriatic, Smith recebeu a “Royal Naval Reserve” condecoração de longo serviço, juntamente com uma promoção a Comandante. Ele passaria a assinar seu nome como "Comandante Edward John Smith, RD, RNR".O comando da “Olympic Class”

O RMS Olympic aporta em New York em junho de 1911 sob o comando de Edward John Smith.

Smith tinha construído a reputação de um dos mais experientes capitães do mundo, e por isso foi chamado para assumir o comando do primeiro navio de uma nova classe, o Olympic - novamente, o maior navio do mundo naquela época. A viagem inaugural de Southampton a Nova York foi concluída com êxito em 21 de junho de 1911, mas na ancoragem no porto de Nova York, experimentou um pequeno incidente. Ancorando no Pier 59, sob o comando do Capitão Smith e assistência de um piloto do porto, o Olympic estava sendo assistido por doze rebocadores quando um deles foi pego pelo turbilhão da hélice de estibordo. O rebocador girou ao redor, colidiu com o navio, e por um momento ficou preso sob a popa do Olympic, onde em seguida finalmente foi libertado.

No vídeo a seguir, em 0:11 min. uma das raríssimas imagens de Edward John Smith a bordo do RMS Olympic, tomadas por um cinegrafista de New York, possivelmente por ocasião da chegada do RMS Olympic em sua primeira viagem. Este vídeo é erroneamente registrado como verídico do Titanic (inclusive nas legendas), porém absolutamente todas as imagens são do Olympic, gravadas em 1911, antes do naufrágio do Titanic. Apenas as imagens do navio RMS Carpathia aportado em New York são diretamente relacionadas ao desastre do Titanic, visto que foram gravadas após a chegada do barco com os sobreviventes da tragédia.

O incidente com o HMS Hawke

Em 20 setembro de 1911, sob o comando de Edward John Smith, o primeiro grande incidente do Olympic ocorreu durante uma colisão com um navio de guerra britânico HMS Hawke , em que o navio de guerra perdeu sua proa.


A grande destruição causada à proa do HMS Hawke, felizmente não naufragou.

Embora a colisão deixou dois dos compartimentos do Olympic inundados e um de seus eixos de hélice torcido, ele foi capaz de navegar de volta para Southampton. No inquérito resultante, a Royal Navy culpou o Olympic pelo incidente, alegando que seu tamanho maciço gerou uma sucção que puxou o Hawke para seu lado. O incidente Hawke foi um desastre financeiro para a White Star, e fora de serviço um navio tão grande piorava as coisas. O Olympic voltou a Belfast e, para acelerar os reparos, a Harland e Wolff, foi forçada a adiar a conclusão do Titanic , a fim de usar um de seus eixos de hélice e outras peças para o Olympic.

Os grandes danos causados ao casco do RMS Olympic.


De volta ao mar, em fevereiro de 1912, o Olympic perdeu uma lâmina da hélice e voltou à Harland and Wolff para reparos de emergência. Para coloca-lo de volta ao serviço imediatamente, a Harland & Wolff, mais uma vez teve que retirar recursos do Titanic, atrasando sua viagem inaugural de 20 março para 10 abril.

O RMS Titanic

Uma das raras fotos onde Edward J. Smith está realmente a bordo do Titanic. Nesta imagem ele se encontra ao lado das janelas dos quartos dos oficiais, próximo de sua própria suíte, que ficava no convés de botes.

Apesar dos problemas do passado, Smith foi nomeado novamente no comando do maior navio a vapor, o RMS Titanic quando saiu de Southampton para a sua viagem inaugural. Embora algumas fontes afirmam que ele tinha decidido se aposentar após a conclusão da viagem inaugural, um artigo do “The Morning Chronicle Halifax” em 09 abril de 1912 declarou que Smith permaneceria no comando do Titanic , até que a empresa -White Star Line - completasse um navio maior e melhor.

Em 10 de abril de 1912, Smith, vestindo um chapéu e um casaco longo, tomou um táxi de sua casa para as docas de Southampton. Ele veio a bordo do Titanic às 7:00 horas para se preparar para a reunião da Câmara de Comércio as 8:00. Ele imediatamente foi até sua cabine para obter o relatório da viagem com o Oficial Chefe Henry Wilde.

O destaque na imagem ao lado ( que é de uma maquete) mostra a exata localização das janelas do camarote ocupado pelo Capitão Smith, abaixo da 1ª chaminé, junto à ponte de comando. 1 lavatório com banheira 2 quarto 3 e 4 sala de estar

Após a partida às 12:15 horas, a enorme quantidade de água deslocada pelo Titanic quando passou, fez o SS New York - que estava atracado junto ao RMS Oceanic - romper suas amarras e balançar em direção ao Titanic. A ação rápida de Smith contribuiu para evitar um fim prematuro à viagem inaugural.





Edward John Smith fotografado à bombordo do Titanic, em frente a entrada para a ponte de comando.

Pela vidraça vê-se o topo de um dos telégrafos que integravam as comunicações a bordo do navio.


A fotografia foi tirada na cidade de Southampton no dia 10 de abril de 1912, o dia da partida, apenas cinco dias antes do naufrágio do Titanic e a morte do Capitão Smith.





O Titanic nos momentos da iminente colisão com o SS New York, graças às manobras realizadas e ao rápido trabalho dos rebocadores o acidente foi evitado, porém se tivesse ocorrido, o Titanic teria de ser reparado e possivelmente não colidiria com o iceberg no meio do Atlântico no dia 14 de abril, quatro dias depois desta foto.


A quase colisão vista a partir do convés do Titanic.



Às 23:40 em 14 de Abril, o Titanic colidiu com um iceberg no Atlântico Norte. O navio afundou duas horas e quarenta minutos depois, matando um número estimado de 1.500 pessoas. Smith foi um dos que morreram. Seu corpo nunca foi recuperado.

Morte

Até hoje não se sabe como Edward John Smith morreu na madrugada do naufrágio. Mas no livro de Robert Ballard "The Discovery of Titanic”, afirma-se que Smith entrou na ponte de comando às 2h13, sete minutos antes do naufrágio final, portanto desceu com o navio.

Algumas fontes afirmam que Smith saiu andando tranquilamente para a ponte, enquanto outros disseram que viram Smith ajudando ativamente na sala de rádio, luz morse e foguetes sinalizadores.

Trabalhando perto do bote dobrável B, o operador junior de telegrafo Harold Bride (na foto ao lado), relatou ter visto Smith mergulhar da ponte de comando alguns minutos antes do naufrágio final. Uma outra história afirma que ele carregava uma criança ao bote dobrável B que estava virado, logo em seguida afastou-se, o que não passa de mais uma das falsas lendas que envolvem o naufrágio.

A ilustração acima mostra o momento narrado pela lenda. O Capitão Smith resgata um bebê e o entrega aos ocupantes do bote emborcado. Momento heróico, mas fictício.



Hellen Melville Smith comparece à inauguração da estátua memorial ao seu pai, em 29 de julho de 1914, dois anos e três meses após a tragédia.

Na placa memorial:

Comandante Edward John Smith, RD, RNR.

Nascido à 27 de janeiro de 1850 - Morto à 15 de abril de 1912
Legando à seus compatriotas
A memória e o exemplo de um grande coração
UMA VIDA BREVE e uma morte hEróica.

Declaração

Por fim, uma frase dita por Edward John Smith em 1907. A afirmação dispensa maiores comentários e causa grande reflexão, dado à toda tragédia que abateria-se sobre o RMS Titanic e ao próprio Capitão Smith cinco anos depois da pronúncia desta sentença.

Retratos na TV e no cinema

Devido à alta importância de sua posição e participação no naufrágio do Titanic, há pelo menos 17 interpretações de Edward John Smith, tanto no cinema quanto na TV e documentários. Siga estas interpretações por ordem de data de aparição.


1912 - interpretado pelo ator Otto Rippert no filme alemão IN NACHT UND EIS (Na noite e no gelo) / 1943 - interpretado por Otto Wernicke no filme alemão TITANIC / 1953 - interpretado por Brian Aherne no filme americano Titanic / 1956 - interpretado por ator não creditado no capítulo "The Unsinkable Molly Brown" da série de TV "Telephone Time".



1956 - interpretado por Clarence Derwent na dramatização especial para TV do livro "A Nigh to Remember" de Walter Lord / 1958 - interpretado por Lawrence Naismith no filme inglês A Night to Remember / 1966 - interpretado por Michael Rennie no capítulo 01 da série The Time Tunnel / 1979 - interpretado por Harry Andrews no filme para TV SOS Titanic.



1983 - interpretado por Hugh Reilly no capítulo 15 da série Voyagers / 1996 - interpretado por George C. Scott no filme para TV Titanic / 1997 - interpretado por Bernard Hill no filme Titanic / 2003 - interpretado por John Donovan no documentário dramatizado Gosths of the Abyss



2005 - interpretado por Alan Rothwell no documentário Titanic, Birth of a Legend / 2006 - interpretado por ator não creditado no documentário dramatizado "Sinking of the Titanic" ( Série "Seconds from Disaster, National Geographic Channel ) / 2008 - interpretado por Malcolm Tierney no documentário "The unsinkable Titanic " / 2011 - Interpretado pelo ator Christian Rodska no documentário dramatizado "What Sank Titanic?" ( Série Curiosity, Discovery Channel)

Link




2012 - Interpretado pelo ator David Calder na microssérie de TV "Titanic", que será lançada em abril de 2012 e relembrará o centenário do naufrágio.





Destaque

No filme Titanic (1997), dirigido por James Cameron, Edward J. Smith foi interpretado pelo ator Bernard Hill. As cenas mostram que nos momentos finais, em estado de grande angústia, Smith se tranca na casa do leme, enquanto a água toma conta da ponte de comando. O final do capitão chega quando logo em seguida os vidros das janelas se arrebentam devido à grande pressão da água.

A cena, apesar de muito impactante, é apenas uma recriação livre de compromisso histórico, visto que não há qualquer testemunho de que o Capitão Edward John Smith tenha se trancado na ponte de comando. Os testemunhos oficiais dão conta apenas de que ele fora visto nas proximidades da ponte de comando nos minutos finais do naufrágio, mas não há qualquer evidência factual de como foram os últimos instantes do capitão do Titanic.

Entre momentos fctícios, lendas e histórias mal contadas, uma coisa é óbvia: o Capitão Smith, sendo o topo das autoridades à bordo, poderia ter facilmente requerido um bote e salvo sua própria vida; no entanto sua bravura provada com a própria morte no Titanic, lhe conferiu um grandioso título de coragem e de dignidade, ainda que suas ações não tenham sido as ideais no que se refere à navegação e evacuação segura e suas atitudes sejam discutidas até a presente data.

Tributo

Para finalizar, um tradicional vídeo-tributo criado por um admirador. As cenas são de Titanic - 1997 - e relembram toda a trajetória do Capitão Edward John Smith ( Bernard Hill ). A música White Flag dita o tom da homenagem.


Crédito

Tradução e adaptação - Rodrigo, TITANIC EM FOCO

5 comentários:

Julio Cesar disse...

O que eu acho chato é que tem várias fotos em alguns sites do Olympic dizendo ser do Titanic, esse video mesmo que mostra Edward Smith no Olympic, eu achei trechos do vídeo num site dizendo se tratar do Titanic, como os dois navios são quase idênticos não da para perceber rsrrs

Rodrigo disse...

Olha, nem me fale, eu cansei de ver tanto erro e tanta mentira em cima da realidade, e acho que este é um dos pontos que mais faço questão de "consertar" no blog, eu publico com muita atenção para não ficar "pregando peças" nas pessoas que querem saber da verdade. Eu detesto fantasia em cima de realidade,,,, realidade é realidade e ficção é ficção.. se juntar e misturar os dois, o resultado é muuuuita inveção e muita mentira, e disto já estamos cheios,,,

No demais muitos livros e muitos sites na Internet estão LOTADOS de erros e de coisas fantasiosas sobre o Olympic, Titanic e Britannic... Fazer o quê, eu tento contribuir com o que posso, não sei de tudo, mas vou atrás do que há de mais confiável e mais real.

Seja bem vindo amigo

Maristela disse...

Nunca considerei o Capitão Smith um dos vilões do naufrágio do Titanic. Creio mesmo que foi o excesso de confiança além do infortúnio a causa dessa desgraça. Somos todos humanos: noes enganmos e erramos. Se não fosse mr. Smith, talvez nem haveria tantos salvos ainda que foram poucos. Além disso, a sabedoria dele ao declarar que mulheres e crianças deveriam ser salvas primeiros denotava a presença de espírito desse grande homem. Honras à memória do Capitão Edward John Smith.

Anônimo disse...

Rodrigo, muito interessante seu blog. Sempre me instigou bastante esta história do Titanic.

Há alguma possibilidade de que o Capitão Smith tivesse sobrevivido à esta tragédia, como por exemplo na hipótese de ter se "infiltrado" entre os tripulantes que foram pros bote salva-vidas?

Paola

Rodrigo disse...

Oi Paola, obrigado, é um prazer saber que gosta do blog.

De tudo o que eu pude ler sobre Smith nestes mais de 10 anos, entre livros, revistas, sites e demais meios, nunca encontrei qualquer menção histórica séria de que Smith eventualmente escapou. Muito pelo contrário: As fontes afirmam que ele pereceu naquela noite, ainda que ninguém tenha uma resposta para como ele morreu... Os relatos dão conta de que ele estava na área da Ponte de Comando nos momentos iminentes à invasão da água no Convés de Botes. Daí em diante, ninguém sabe ao certo, ninguém testemunhou qual foi o seu desfecho final pelo simples fato de que na confusão, pânico e baixíssima luz, ninguém esteve fixamente prestando atenção em qualquer coisa que seja, todos estavam lutando pela vida.

Mas... Já li em algumas poucas fontes extra-oficiais que alegaram – no decorrer destes 102 anos - de que Smith teria se salvado, e até sido visto depois da tragédia. Evidentemente isto é lenda, assim como existem lendas sobre a maioria das histórias que crivam a humanidade: Lendas sobre Hitler, lendas sobre Elvis, lendas sobre Michael Jackson, Marilyn Monroe, e tantas outras centenas de personalidades históricas.

As lendas que são criadas em cima de histórias reais são "postas em pé" para deixarem estas histórias mais interessantes. O que não se leva em conta é que a maioria destas histórias grandiosas dispensa sumariamente qualquer tipo de lenda para serem interessantes. A história verídica do Titanic não precisa de lenda nenhuma para ser brutalmente marcante e fantástica. Lendas são legais, interessantes, sedutoras... Mas são apenas "enfeites da história", para maquiá-la e deixá-la mais atrativa.

Eu preferi, prefiro e sempre vou preferir a história nua, crua e mais fiel à realidade quanto possível.

Até mais, mais uma vez grato pela atenção ao blog, seja sempre bem vinda, abraço.